Teatro e exposições

Promotora cancela stand-up de Sinel de Cordes no Porto, após ameaças a espectadora

“Devias morrer de cancro” e “és uma ordinária” foram alguns dos insultos proferidos pelo humorista durante uma apresentação.
É a polémica da semana.

O espetáculo “Morro Amanhã”, de Rui Sinel de Cordes, que estava marcado para a próxima quarta-feira, 31 de janeiro, no Teatro Sá da Bandeira (Porto), foi cancelado. A informação foi revelada esta quinta-feira, 25 de janeiro, pela Setlist, promotora e agência do humorista.

“Em virtude dos acontecimentos de dia 23 de janeiro, aos quais o Teatro Tivoli BBVA, Salvador Martinha e Luís Franco-Bastos são alheios, não se reúnem as condições para que LX Comedy Club suba a palco”, partilhou a empresa no Instagram. A Ticketline vai reembolsar todos aqueles que compraram bilhetes.

A pequena digressão dos três comediantes tinha um cariz solidário, e era uma forma de homenagem ao humorista Ricardo Vilão, que morreu no ano passado. As receitas obtidas no primeiro espetáculo vão reverter a favor da família do artista.

A polémica

Rui Sinel de Cordes está a ser acusado de insultar e ameaçar uma mulher que estava na plateia e que terá interrompido o espetáculo de humor, segundo fontes ouvidas pelo “Observador”. Ao que parece, o humorista parecia estar bêbado e subiu ao palco “visivelmente alterado”, interrompendo os colegas durante o espetáculo e fugindo ao alinhamento.

“A dada altura saiu do palco, a gritar alto e bom som, que precisava ‘ir mijar’. Deixou nitidamente desconcertados o Salvador Martinha e o Luís Franco Bastos. Eles tentaram fazer tempo, com algum embaraço. Após o regresso ao palco, o Rui entrou eufórico e enérgico, já se notava a voz a arrastar”, confessou uma das fontes.

O ambiente ficava cada vez mais tenso, já ninguém se ria, até que uma mulher da plateia, perto do fim do espetáculo, levantou a voz e disse: “Rui, deixa-os falar”.

O humorista, nesse momento, reagiu com insultos pessoais e gritos. “Cala-te, és uma vaca”, “devias morrer de cancro”, “és uma ordinária” ou “eu próprio te matava por me interromperes, se não fosse o espetáculo do Vilão”, terá dito o comediante, segundo relatos de espectadores à SIC Notícias. A atitude fez com que muitas pessoas começassem a abandonar a sala.

Leia este artigo da NiT para ficara a conhecer mais pormenores sobre o sucedido.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT