Teatro e exposições

Tabus e mitos sobre sexualidade e género? Está tudo na exposição de Maria Mergulhão

“Oh Baby It’s Raining” é inaugurada no próximo dia 20 de janeiro, na Sociedade Nacional das Belas Artes, em Lisboa.
Uma das obras da artista

“Oh Baby it’s Raining” é o verso de um hit da cantora Rihanna, mas é também o nome da nova exposição da artista e poetisa Maria Mergulhão. A jovem de 29 anos apresenta no dia 20 de janeiro o seu novo projeto, no qual aborda temas como o amor, o abandono, a distinção entre uma pessoa e um boneco ou um animal e um boneco, questionando as ideias dominantes da sociedade.

A música da cantora trouxe inspiração para o desenho a que dá o nome. E que se repete depois como nome da exposição.

“Estava a ouvir essa música quando montei o desenho referente à exposição. De uma forma irónica, o desenho apela à tristeza, mas também, ao carinho, no âmbito de acordar a nossa image-repertoire de paixão. A exposição funciona como um manifesto político e inerente a várias situações, em que chove e às quais devemos dar atenção, e não só contemplar”, explica a artista.

Além da música, o estilo pop manifesta-se no trabalho de Maria Mergulhão com cores vibrantes, algumas delas aplicadas com spray de grafitti, reforçando a alusão ao manifesto e à revolução. “Volto sempre ao famoso ditado feminista: ‘o pessoal é político'”, adiantou a jovem, também reconhecida ativista do movimento queer.

Kae Tempest, Ary dos Santos Paula Rego e Maria Teresa Horta são alguns dos artistas que inspiraram a pintora nestas composições, que são para si uma espécie de diário. “Confesso-me na arte como se me confessasse a um padre. E tudo o que ela narra é, infelizmente, verdade. Tal como Tracey Emin, considero-me uma artista confessional até na abstração, a que cada cor, cada bola ou traço, apela”, adianta a jovem que pretende com este trabalho fazer o público pensar sobre temas como a sustentabilidade ambiental, a objetificação do corpo da mulher, os direitos humanos, entre outros aspetos fulcrais da sociedade atual. 

Maria Mergulhão iniciou o seu percurso “auto-reflexivo” em Londres, onde viveu e estudou. Foi nesta cidade que começou por se dedicar à pintura, escultura, escrita e instalação, culminando na arte que hoje cria e que se foca em temas como a mente, sexualidade, política, sociedade e indústria, sempre com o cunho pessoal da vivência, mas sabendo libertar-se daquilo que criou.

“As obras são minhas filhas no processo criativo que com cada traço as educo, as formo e moldo, para serem duma determinada forma. Quando finalizo o processo criativo, a obra já não está nas minhas mãos, já não me pertence. Torna-se maior de idade e responsável por si mesma. Torna-se um espelho para o público”, acrescenta.

Se o nome Maria Mergulhão não lhe for estranho pode dever-se à recente participação da artista na exposição “Do Outro Lado”, que encheu as ruas de Lisboa com arte, de profissionais portugueses e internacionais, em abril de 2021. 

Com mostras do seu trabalho em Portugal mas também lá fora, como Londres, Maria Mergulhão tem já em vista uma exposição no Brasil e o seu principal objetivo é levar as suas obras à escala arquitetónica e incluir uma instalação imersiva. Até lá, pode ver a exposição “Oh Baby it’s Raining” na Sociedade Nacional das Belas Artes, em Lisboa, até 19 de fevereiro.

Carregue na galeria para conhecer alguns dos trabalhos da artista. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT