Televisão

“Big Brother”: Sónia é mais inconstante do que uma lâmpada a fazer mau contacto

O humorista e cronista Miguel Lambertini analisa a mais recente gala do reality show da TVI.
Sónia não se decide se quer ficar ou sair.

Este domingo, 31 de maio, foi noite de tudo ou nada na gala do “Big Brother”. Mais um daqueles anúncios enigmáticos e exagerados, estilo apresentador de circo, com o objetivo de iludir o público e tentar fazê-lo acreditar que a qualquer momento os leões podem arrancar a cabeça ao domador, apesar de todos sabermos que eles não vão atacar porque estão mais dopados do que um atleta olímpico russo com medo de andar de avião. 

Na casa, vemos os três nomeados da noite — Noélia, Teresa e Renato — em cima de cubos à  beira da piscina, como se tivessem sido capturados por um navio de piratas e estivessem prestes a ser atirados ao mar. Mas antes de anunciar a decisão do público, Cláudio Ramos explica que a mala dourada com um número 1 estampado pertence a um dos concorrentes, que se for salvo em segundo lugar é que poderá escolher se quer abri-la ou não. Sendo que lá dentro poderá estar uma consequência boa ou uma má. É um bocado como comer sardinhas assadas na noite dos Santos Populares, tanto pode calhar uma travessa magnífica como podemos dar por nós a comer um género de papa Cerelac de sardinha, que já vem fria porque a pedimos há sete horas. 

O público votou e decidiu salvar Noélia, o que fez com que Renato tivesse de caminhar na prancha em direção aos tubarões. É aí que eu reparo que na sala está o Rui Bandeira, o clássico concorrente do Festival da Canção, ou então esta semana não deixaram a Sónia fazer a depilação e ela deixou crescer a barba. Depois é que percebi que afinal era o Daniel Guerreiro a usar a cabeleira da Soraia. O Daniel, sabendo que era noite de nomeações, tentou disfarçar-se de mulher para que a Ana Catharina não votasse nele, mas nem assim se safou à nomeação.

Entretanto Cláudio abordou um dos assuntos quentes desta semana, que foi a expulsão de Pedro Soá. Já correu muita tinta sobre este tema por isso não vou alongar-me muito, se bem que, obviamente, se eu quisesse, podia alongar-me porque quem manda nesta crónica sou eu! Percebem? Eu-mando-aqui!!! Por isso, se eu quiser escrever a partir de agora sobre o período de gestação do ornitorrinco, vou escrever, porque eu mando! Já agora, porque sei que ficaram curiosos, o tempo de gestação do ornitorrinco é de entre 10 a 14 dias, o que é extraordinariamente curto. Quase que nem dá tempo para as amigas prepararem um baby shower em condições para o pequeno Orni. 

Voltando ao habitat dos concorrentes do “Big Brother”, esta semana Pedro Soá passou-se e foi expulso. Teresa comentou algo sobre um pacote de iogurte vazio na cozinha e Pedro explodiu. Se o Pedro perde as estribeiras porque está fechado numa casa gigante, nem quero imaginar como será fechado dentro do carro, no meio do trânsito. O homem ouve a voz do GPS dar-lhe uma indicação e passa-se: “Saio na segunda saída se eu quiser! A mim ninguém me dá ordens! Viro à direita se me me apetecer, quem manda aqui sou eu!”

Entretanto voltámos a ter Edmar, o que é sempre divertido. O concorrente estava sentado na plateia e aproveitou para cascar em Pedro Soá com o seu sotaque maravilhoso de rainha de Inglaterra, Escócia, e Mirandela “é assim, tipo, eu faço event management e sinceramente… That’s nó a leeedá”.

A meio da semana, Sónia comunicou com o exterior e ficou automaticamente nomeada. A concorrente tentou justificar-se em lágrimas no confessionário: “ó Big, era o meu Bitor!” Sónia é mais inconstante do que uma lâmpada a fazer mau contacto, ora quer ficar, ora não quer ficar, passado meia hora já quer ficar outra vez, depois tem saudades e não quer ficar e logo a seguir pede “por amor de deus, deixem-me cá ficar”. Oh, mulher, decide-te!

Já no confessionário, Teresa confidencia que lhe parece que uma das razões pela qual Daniel não passa cartão a Soraia, é porque está interessado noutra pessoa. Cláudio tenta puxar pela concorrente para ver se esta desvenda algo mais e Teresa diz que o nome começa com a letra “A”. Eu por acaso fiquei a achar que ela ia dizer que o nome começava com a letra “D” e acabava em “iogo”, mas se calhar sou só eu a inventar. 

Cá fora, os concorrentes são convidados a tirar uma bola dentro de um saco que contém bolas pretas e apenas uma dourada. A bola calhou a Slavia, que quis saber o que estava dentro da mala número 2. Ganhou imunidade, o que no caso de Slavia é quase o mesmo que oferecer dinheiro ao Bill Gates. 

Como quebrou uma das regras do “Big Brother”, Sónia ficou automaticamente nomeada. Antes de ir para a sala das decisões saber se os portugueses querem ou não mantê-la na casa, Sónia pede: “Antes de ir só peço um último ‘Alabum e chicabum’ malta”. E todos de mãos dadas cantaram a lengalenga, o que achei muito bonito e apropriado ao Dia da Criança. Os portugueses decidiram não expulsar Sónia, que assim terá de aguentar mais uns dias sem abraçar a sua bida e ficar a próxima semana toda a querer sair e a ficar. 

Com a expulsão de Soá, Sandrina foi escolhida para líder da casa. Vemos algumas imagens da concorrente a tentar impor a sua liderança, ao som de “Bamboleo”, dos Gipsy Kings. Já sabemos que Sandrina é cigana e que, por isso, como todos os ciganos, deve gostar de ouvir Gipsy Kings, mas, pronto, obrigado por reforçarem o estereótipo, produção do “Big Brother”. Enquanto líder, Sandrina é convidada a responder a questões sobre cada um dos concorrentes que voltam a estar na prancha do navio pirata, à beira da piscina. Com as suas respostas e sem saber, a concorrente estava a escolher o novo líder da casa. Esta semana o eleito foi o Daniel Monteiro, pelo que eu se fosse aos restantes concorrentes começava já a procurar um psicólogo porque é muito provável que no final desta semana haja malta com stress pós-traumático.

Soraia continua completamente apaixonada e não há maneira de perceber que o Daniel Guerreiro não está minimamente interessado. No confessionário, já depois de Guerreiro ter voltado a explicar que não quer iludir a concorrente, Soraia comenta: “eu acho que ele gosta de mim”. A Soraia está totalmente em negação e mesmo que apanhasse o Daniel em pleno coito com outra concorrente a rapariga achava que ainda tinha hipóteses. É mais provável o Rio Ave ganhar o campeonato deste ano do que a Soraia envolver-se na casa com o Daniel. 

Entretanto, lá fora, nova ronda a tirar bolas do saco. Soraia tira a bola dourada e decide ficar com a bola que dá acesso à mala. “A mala pode ter coisas boas e coisas más”, insiste a voz do “Big Brother”. Só faltou fingir que estava a tossir e dizer rápido “não abras”. Mas Soraia não percebe a dica e insiste em abrir a mala. Bom, pelo menos tentou, mas não conseguiu. Estranhamente a concorrente não tem experiência em transações que envolvem abrir malas de negócio com conteúdo misterioso e por isso teve de ser ajudada pela sua crush, Daniel Guerreiro. Quando Soraia consegue finalmente abrir a mala, surpresa: nomeação direta! Coitada da rapariga, não a deixam ler a carta da mãe, é rejeitada em direto na televisão nacional e ainda lhe calha a mala do cocó. Pior que isto só mesmo passar um avião a dizer: “Soraia, já entreguei a declaração do IRS. Vais ter de pagar 5.000€”.

Por falar em avião, esta semana Pedro Alves recebeu uma mensagem aérea que dizia “Cuidado, não nos envergonhes com JE. Delegados”. Epá, não sei quem são estes delegados mas com esta mensagem só podem ser delegados de informação médica na área de ginecologia, porque estes amigos são uns coninhas, perdoem-me a expressão. É que vergonha é comer e falar de boca aberta. Desculpem, mas ver o Pedro no duche aos beijos com uma jovem como a Jéssica, o sentimento que desperta não é vergonha, meus amigos, a isso chama-se inveja. E eu sei, porque foi o que eu senti também, quer dizer, porque sempre quis ter um duche assim em cabine, mas a minha mulher nunca deixou. 

A própria Jéssica, durante a semana, foi convidada a desenhar a sua linha da vida e contar os principais episódios da sua história. A concorrente emocionou-se, principalmente quando falou sobre a mãe que, segundo a própria, é “ex-toxicoindependente”. Caso para dizer: Calinadas? E não são muitas, e não são poucas, bastantes. 

No confessionário, Cláudio pede a Daniel Monteiro para escolher duas pessoas cujas nomeações não contam. E Daniel Monteiro escolhe a Iury e o Hélder, ou seja, perde a oportunidade de anular as nomeações dos seus arqui-inimigos, a querida Ana Catharina e o Diogo. Se isto não é ser um mastermind do jogo, não sei o que é. Já vi que no quartel, a jogar cartas, se calha o “olho do cu” ao Daniel, nem a jogar dez horas o homem chega a “presidente”.

Os nomeados desta semana foram Ana Catharina, Diogo, Hélder, Soraia e Teresa. Mas esta última ainda tinha um trunfo para jogar. Teresa, pode abrir a mala dourada que lhe foi atribuída no início e ver o que está lá dentro, que pode mudar o jogo. Teresa escolhe abrir a mala e a mensagem diz “Poder de Salvar.” Cláudio explica que Teresa pode salvar um dos nomeados ou a si própria. Ou seja, apesar de não poder ganhar imunidade por ter quebrado as regras da casa, Teresa ganha uma benesse do “Big Brother” que permite salvar-se da nomeação. Extraordinário. “Muito bem, Teresa, salva-se a si própria, eu faria o mesmo”, diz Cláudio Ramos. Pois, mas agora já não dá, Cláudio, agora é aguentar e esperar que isto tudo acabe para dar o cheque ao Diogo. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm
Novos talentos

AGENDA NiT