Televisão

Da perda da voz à troca de casais: a vida louca de Shania Twain chega à Netflix

O novo documentário "Not Just a Girl" acompanha a carreira da cantora country — e o momento mais negro da carreira.
Aos 57 anos, ainda tem música para dar

Era impossível não esbarrar com ela, assim que o zapping passava pelos canais de música. Shania Twain era inconfundível e marcou uma era. Só que mais de 20 anos depois, muito mudou.

Agora, a sua carreira cabe inteirinha no novo documentário da Netflix, “Not Just a Girl”, que chegou no dia 26 de julho à plataforma. O filme acompanha a artista desde os tempos da juventude em Timmins, no Canadá, da vida na pobreza e a sua chegada triunfal a Nashville com o disco “The Woman in Me” debaixo do braço.

Entre êxitos, concertos em arenas e desilusões, houve um momento marcante na carreira de Twain: o divórcio do produtor que a ajudou a conquistar a fama, Robert Mutt Lange, um evento que a cantora equiparou à morte.

Em 2004 teve início o período mais negro da sua vida. Durante um passeio a cavalo, foi mordida por uma carraça e, soube mais tarde, foi infetada com a doença de Lyme.

“Os sintomas eram assustadores. Antes de ser diagnosticada, ficava super tonta quando estava em palco. Perdia o equilíbrio, achava que ia cair do palco. Tinha uns blackouts de pequenos milisegundos, mas regulares”, recorda. A voz, o seu grande trunfo, sofreu e quase desapareceu. “A minha voz nunca mais foi a mesma. Pensei que a tinha perdido para sempre, que pronto, tudo terminava ali e que nunca mais iria cantar.”

A doença obrigou a um longo hiato na carreira que começara uma década antes, pela mão do homem com quem viria a casar. Conheceram-se em 1993 e Shania Twain ficou imediatamente impressionada.

“Eu não sabia quem ele era. Não conhecia os seus sucessos. Sabia apenas que se chamava Mutt Lange”, recorda. Foi o produtor quem pediu para poder trabalhar com a jovem canadiana que mostrava muito potencial.

Juntos, produziram o seu disco de afirmação em 1995, “The Woman In Me”, e o mega sucesso “Come on Over”, que se tornou no mais vendido disco de todos os tempos por uma artista feminina a solo. Ao lado de Lange, Twain viajou por todo o mundo. Mas foi na Suíça que contrataram uma assistente para a ajudar nas tarefas diárias. Marie-Anne Thiébaud ficou próxima do casal e iniciaram uma relação de amizade que, inevitavelmente, abarcou também o marido, Frédéric Thiébaud.

Os problemas surgiram em 2008, quando, de forma surpreendente, Lange pediu o divórcio que terminaria um casamento de 14 anos. Twain não percebia os motivos e apoiou-se numa das suas melhores amigas, Marie-Ann.

“Perguntei-lhe se não achava que o meu marido andava estranho e ela disse ‘não, não vejo nada’”, recordou em entrevista a Oprah. Afinal, Lange e Marie-Anne estariam a ter um caso extraconjugal.

A revelação foi feita por Frédéric, que terá descoberto tudo. “Fui eu quem descobriu que os dois tinham um caso. E disse-lhes: vocês têm que contar à Shania. Isto é ridículo. No mínimo, devem-lhe isso”, explicou na mesma entrevista.

“Enquanto estava a tentar perceber o que se passava com a minha voz, enfrentava também um divórcio. O meu marido a trocar-me por outra mulher. E de repente estou noutro buraco e não vejo o porquê de querer continuar com a minha carreira”, confessou.

Twain chegou ao ponto de comparar a separação com o trágico acidente de viação que vitimou os seus pais em 1987. “Quando perdi o Mutt, pensei que o luto que fiz era de intensidade semelhante ao que sofri quando perdi os meus pais. Era como a morte, como um fim permanente das várias facetas da minha vida. E eu nunca ultrapassei a morte dos meus pais, por isso pensava que nunca iria ultrapassar isso.”

Nesse momento, Twain e Frédéric acabaram por se conforta um ao outro. Uma coisa levou a outra e deu-se o início de uma nova relação. “Inicialmente rejeitei-o, mas não podia controlar o amor do Fred. Lentamente, tornamo-nos muito bons amigos, precisámos de muitos meses até conseguirmos processar tudo o que nos tinha acontecido”, contou.

“Apoiarmo-nos mutuamente durante um período emocionalmente duro foi bom. No final, acabámos por encontrar algo de muito belo e inesperado.” O casal oficializou o casamento em 2010.

Twain e Thiébaud continuam juntos

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT