Televisão

“Mindhunter” pode mesmo ter chegado ao fim

Exaustão, custos elevados e más audiências são as razões apontadas pelo realizador David Fincher.
Os fãs não mereciam isto

As entrevistas aterradoras com os psicopatas mais perigosos do mundo podem nunca mais voltar à televisão. Falamos, claro, de “Mindhunter”, cuja terceira temporada deveria estar a caminho. Infelizmente, não parece ser esse o caso.

É que esta sexta-feira, 23 de outubro, a revista norte-americana “Vulture” revelou mesmo que “Mindhunter” pode ter chegado ao fim. Foi o próprio realizador, David Fincher, quem o afirmou, justificando a decisão ainda não oficial com o orçamento elevado, o trabalho exaustivo e os números desapontantes de audiências. Crê, por isso, que a série da Netflix “provavelmente” não terá direito a mais episódios.

No início de 2020, já tinha sido anunciado que os atores Jonathan Groff, Holt McCallany, e Anna Torv estavam a ser libertados dos seus contratos, já que a terceira temporada tinha sido adiada por tempo indefinido. Na altura, Fincher estava demasiado ocupado com a produção do seu próximo filme — “Mank” — para se poder dedicar ao projeto.

Agora, o realizador diz que “Mindhunter” é um trabalho “caro” e que o investimento não está a ser recompensado pelo número de espectadores. “É uma semana de 90 horas. Absorve tudo nas nossas vidas. Quando acabei [a segunda temporada], estava exausto e disse ‘não sei se tenho a capacidade de fazer agora a terceira temporada'”, acrescentou.

Apesar dos fortes indícios, Fincher não deu certezas de que “Mindhunter” tenha, de facto, chegado ao fim e não há ainda notícias oficiais do lado da Netflix. As primeiras duas temporadas da série estão disponíveis na plataforma de streaming. “Mank” chega às salas de cinema dos Estados Unidos a 13 de novembro e estreia na Netflix a 4 de dezembro.

Recorde também o artigo da NiT sobre esta que é uma das melhores séries da plataforma de streaming. Original, obscura e viciante, conta como os serial killers começaram a ser estudados pelo FBI nos anos 70 e 80.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT