Televisão

Gisela João apresenta “Portuguese Soul”, o seu primeiro programa de televisão

Estreia na RTP2 este sábado e centra-se no calçado nacional. Nos próximos dias, a fadista atua nos coliseus de Lisboa e Porto.
Gisela João lançou o primeiro disco em 2013.

Chama-se “Portuguese Soul” e é o primeiro programa de televisão apresentado pela fadista Gisela João. Depois da participação em “All Together Now”, na TVI, onde foi presidente do júri, a cantora conduz um formato completamente diferente, focado na indústria do calçado produzido em Portugal.

A série documental da RTP2 estreia este sábado, 30 de outubro, a partir das 20h25. Ao todo são oito episódios de meia hora — cada um centrado numa matéria-prima diferente relacionada. Em destaque vão estar o algodão, o couro, o plástico, a cortiça, a lã, a madeira, o ouro e os biomateriais. 

“Adoro tudo o que são trabalhos manuais, coisas mais artesanais, e percebi que neste programa iria ter oportunidade de lidar diretamente com as costureiras, com as pessoas que fazem mesmo as coisas, que estudam os materiais… Por isso senti-me um peixinho dentro de água [risos]”, explica Gisela João à NiT.

A fadista também costura — além de fazer tricot e crochet — e confeciona mesmo muitas das roupas que usa no dia a dia ou nos espetáculos. Por isso, tinha um interesse especial por este projeto. “Foi muito interessante perceber como é que se utiliza o algodão, curiosidades que muitas vezes — quando compramos as peças e temos as coisas na mão — não sabemos, nem percebemos toda a estrutura humana que existe para conseguirmos ter aquilo nas mãos. Penso que é muito interessante dar a conhecer o know hw que essas pessoas têm: é maravilhoso.”

“Portuguese Soul” é uma série produzida em parceria com a a APICCAPS – Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Pele e Seus Sucedâneos. 

“Tenho tido muito gozo em descobrir que consigo fazer. outras coisas. E fazer este programa… a equipa, que era muito jovem, foi tão maravilhosa. A RTP2 teve uma coragem incrível de partir do princípio, ‘bora lá, vamos fazer. Desde o primeiro ao último episódio senti que estava entre amigos de muitos anos, toda a gente com uma visão muito jovem e desempoeirada daquilo que se queria fazer. Com uma imagem muito bonita, tudo com muito bom gosto. E se me ligassem a dizer ‘Gisela, temos de fazer outro programa hoje’, eu ia já”, explica a fadista.

A fadista Gisela João confeciona alguma da roupa que usa.

Gisela João assume que nunca imaginou trabalhar em televisão, até porque tinha “muito medo”. “Porque a exposição é brutal. Mas é engraçado, porque quando aceitei o ‘All Together Now’, foi com essa premissa. Vou-me desafiar, porque estava habituada a ir a vários programas mas sempre como convidada, porque tinha uma entrevista ou alguma coisa para mostrar. Eram uns minutos e ia embora. Mas fazer televisão é outra coisa completamente diferente. A adrenalina é incrível. É tudo muito grande, muito assustador, mas tenho gostado das experiências que tenho tinho, confesso.”

Será que algum dia vamos ver a fadista como verdadeira apresentadora de televisão, de forma mais regular? “Talvez”, responde entre risos. Assume, sem medos, que gostava de fazer mais trabalhos na área.

“Há uma coisa que me fascina na televisão: o facto de poder fazer companhia a muitas pessoas que estarão sozinhas. É uma das coisas mais bonitas que este meio tem. Poder ensinar coisas, dar a conhecer um mundo a quem não pode sair do lugar onde vive. Por isso é que muitas vezes é apelidada de caixa mágica, não é?”

Há um mês, no final de setembro, Gisela João também esteve em destaque no ecrã — mas neste caso no do YouTube, quando foi publicado o formato A Colors Show em que participa. A portuguesa interpretou uma versão de “Louca” neste projeto internacional que é seguido por milhões de pessoas.

“Foi incrível. Agora imagina, ter um segredo destes guardado durante quatro meses e meio, sem poder contar a ninguém… Já me estava a queimar por dentro. Seguia a plataforma há muito tempo, pela música. Sempre foi isso que senti. De repente, estou ali a cantar na minha língua, uma música muito forte que fala sobre todas as mulheres do mundo. Estava mega nervosa por todos os motivos e mais alguns: porque admiro a plataforma há muito tempo, porque aquilo é muito bonito, porque havia todo este secretismo à volta e sabia que só podia fazer três ou quatro takes e tinha que escolher um inteiro, porque não há edição. Mas fiquei muito satisfeita”, admite.

No YouTube, o vídeo soma mais de 200 mil visualizações e quase 500 comentários — muitos deles de estrangeiros que não conheciam o trabalho de Gisela João. “Até houve pessoas a dizer que devia ser a próxima música do James Bond [risos].”

Na próxima sexta-feira, 5 de novembro, a fadista sobe ao palco do Coliseu dos Recreios, em Lisboa, para apresentar o álbum que lançou este ano, “AuRora”. Ainda há bilhetes à venda, entre os 20€ e os 35€. Uma semana depois, a 13 de novembro, atua no Coliseu do Porto. As entradas estão disponíveis dos 18€ aos 40€.

“Estou em nervos totais. Muita responsabilidade de ter de fazer uma coisa bonita. Na verdade, este disco não subiu muito ao palco, não tivemos assim tantos concertos este ano e tudo isso me assusta um bocadinho. Se bem que tivemos agora uma tour, a primeira fora de Portugal pós-pandemia, e os meus músicos dão-me uma segurança incrível. Isso deixa-me um bocadinho mais relaxada, mas fico sempre preocupada — quero que as pessoas tenham uma noite maravilhosa, que saiam de coração cheio. Quero estar no meu melhor. Só quero que chegue o dia”, confessa.

Depois destes dois espetáculos especiais, a ideia é marcar mais datas para cantar as canções de “AuRora” — que foi editado em abril — pelo País fora. É o primeiro disco da fadista baseado, essencialmente, em composições originais. Gisela João adianta ainda que já está a pensar em músicas novas mas, por enquanto, ainda não passam de algumas ideias.

Carregue na galeria para conhecer outros dos principais concertos que vai poder ver em Portugal até ao final do ano.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT