Televisão

A história real do médico que perdeu 12 anos de vida (e que inspirou uma nova série)

“Doc” tem sido transmitida na televisão portuguesa. A primeira temporada tem oito episódios.
A estreia acontece com episódio duplo.

Há uma nova série de médicos prestes a chegar à televisão portuguesa. “Doc” é uma produção italiana que estreou a 8 de setembro, no AXN. A primeira temporada tem oito episódios e foi um grande sucesso de audiências em Itália, com uma média de mais de oito milhões de espectadores por cada capítulo.

“Doc” inspira-se na história real de um médico italiano. Pierdante Piccioni trabalhava nas urgências do hospital de Lodi, na região da Lombardia, e era um profissional respeitado com grandes responsabilidades e vários anos de carreira. Em 2013, sofreu um grave acidente de carro que o deixou em coma.

Quando acordou, Piccioni estava baralhado e confuso. Até perceberem que tinha danos neurológicos, os médicos nem conseguiam perceber se estaria a mentir ou simplesmente ainda a ganhar consciência da realidade. O médico, que agora estava deitado na cama no lugar de paciente, achava que estava no dia 25 de outubro de 2001, no oitavo aniversário do filho.

Pensava que tinha 40 anos e não queria acreditar quando se viu ao espelho e percebeu que já tinha bastante cabelo branco. Pensava que o seu filho mais velho tinha oito anos quando, na verdade, já estava na faculdade. Acreditava que a sua mãe estava viva, embora já tivesse morrido há algum tempo. Olhava para a sua mulher e achava inacreditável que tivesse aquelas rugas todas.

Pierdante Piccioni não se lembrava de nada do que tinha acontecido nos últimos 12 anos — teve uma amnésia profunda e nunca mais se conseguiu lembrar. Além de todas as memórias pessoais perdidas, relacionadas com a família e amigos, quando acordou tinha passado ao lado de todas as evoluções tecnológicas e das mudanças sociais e políticas no mundo.

Não sabia que a Internet estava tão massificada, não fazia ideia que Barack Obama era o presidente americano ou que o Papa Bento XVI tinha abdicado do cargo. Mais: não estava a par de todos os avanços científicos na área da medicina que tinham sido alcançados na última dúzia de anos.

Desamparado, pensou em desistir da medicina, mas acabou por se determinar a estudar tudo aquilo que tinha perdido. Queria atualizar-se, adquirir os novos conhecimentos e voltar à sua vida normal — embora o coma o também tenha transformado pessoalmente, dotando-o de uma grande empatia para com os doentes, agora que também tinha estado durante tanto tempo daquele lado.

Teve de subir novamente na hierarquia dentro do hospital. Com a ajuda dos colegas (incluindo médicos que tinham sido seus alunos) e da família, conseguiu ir reaprendendo tudo aquilo de que precisava até se tornar, em 2015, no responsável pelas urgências do hospital de Codogno, também na região da Lombardia.

“Tive de começar tudo de novo, a medicina está sempre a evoluir. Tirei um curso sobre o estudo dos pacientes, para tentar perceber melhor como é estar do outro lado. Nesta experiência fui a pessoa em baixo que olhava para cima. Ter essa perspetiva mudou tudo”, contou o profissional de saúde ao jornal italiano “Corriere della Sera”.

Pierdante Piccioni escreveu (em conjunto com Pierangelo Sapegno) dois livros sobre a sua história, “Minus 12” e “First Aid”, que serviram de base a esta série de televisão. Na narrativa da produção, Piccioni é o médico Andrea Fanti, que se torna num paciente e tem de se redescobrir enquanto profissional e pessoa. Conhecido por ser uma pessoa fria e distante, Fanti torna-se totalmente empático quando volta ao trabalho. Na série, Fanti ficou em coma por causa de um tiro, e não devido a um acidente de carro.

Pierdante Piccioni é agora um orador e autor de livros, além de médico.

Atualmente, na vida real, Piccioni esteve na linha da frente na luta contra a Covid-19 — a região da Lombardia, onde vive e trabalha, foi a mais afetada de Itália. Piccioni tornou-se especialista em lidar com pacientes a recuperar do novo coronavírus, e era responsável por avaliar se determinado doente poderia sair dos cuidados intensivos e ir para a área de enfermaria, entre outras alterações do estado clínico.

O elenco da série inclui Luca Argentero, Matilde Gioli, Sara Lazzaro, Gianmarco Saurino, Raffaele Esposito, Alberto Boubakar Malanchino, Silvia Mazzieri, Pierpaolo Spollon e Simona Tabasco, entre outros.

“Doc” era para ter 16 episódios, mas as gravações tiveram de ser interrompidas por causa da pandemia. Sendo assim, só foram concluídos e exibidos oito capítulos. Os outros oito episódios poderão estrear ainda este ano em Itália.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm
Novos talentos

AGENDA NiT