Televisão

“In My Skin”: chegou a Portugal a série premiada (e elogiada) da BBC

A primeira temporada foi gravada com um orçamento de 500 libras — e tornou-se um fenómeno.
Há 2 temporadas na Filmin.

Uma série “escrita em cinco semanas, filmada em cinco semanas e feita com um orçamento de 500 libras”. Foi assim que a autora Kayleigh Llewellyn descreveu a primeira temporada de “In My Skin” quando recebeu o BAFTA de Melhor Drama e Melhor Argumento em maio. 

Nesta terça-feira, 5 de julho, a produção da BBC estreia em Portugal: pode encontrar as duas temporadas, num total de 10 episódios de cerca de meia hora, na plataforma de streaming Filmin. 

Esta é a história de Bethan, uma adolescente de 16 anos de Cardiff, no País de Gales, que lida com uma série de problemas típicos da juventude — desde a sexualidade à comparação com os outros —, mas também de uma comunidade pobre e a braços com graves problemas sociais. 

Na escola, que tem um ambiente hostil, enfrenta colegas bullies e raparigas arrogantemente populares. Em casa, tem de lidar com uma mãe bipolar e um pai alcoólico. Entre tardes também regadas a álcool, a protagonista vai lidando com os seus demónios à medida que amadurece. 

Ambiciona ser escritora e deseja desesperadamente impressionar uma rapariga da escola. Porém, mesmo aos amigos mais próximos, tenta passar a imagem de que tem um contexto familiar seguro, estável e de classe média.

A produção realizada por Lucy Forbes (“The End of the F***ing World”) foi bastante elogiada pela imprensa especializada. “Mesmo quando expõe as realidades sombrias da vida adolescente nos escombros dos sítios esquecidos do Reino Unido, ‘In My Skin’ está recheada de ternura”, pode ler-se no “Independent”.

Já a “Paste Magazine” escreveu: “‘In My Skin’ aborda o terreno familiar das séries adolescentes de formas naturalmente constrangedoras, com o seu jovem elenco a brilhar ao demonstrar o desconforto e constante estranheza da escola secundária”.

A narrativa é, de alguma forma, autobiográfica. Kayleigh Llewellyn também tem uma mãe que sofre de bipolaridade — e na sua adolescência atribulada tinha medo que os outros miúdos descobrissem que ela passava grande parte do tempo internada. Temia que fosse gozada ou colocada de parte.

Apesar da carga dramática, “In My Skin” também inclui vários momentos cómicos — especialmente os relacionados com a avó de Bethan. “Adoro a frase: façam-nos rir, façam-nos chorar. Porque isso é a vida. É algo natural. Muitas pessoas que foram marginalizadas ou que têm algo a esconder refugiam-se na comédia. Fiz isso a minha vida toda”, contou Llewellyn ao “The Guardian” sobre o projeto.

A ideia também passou por retratar a realidade do País de Gales. “Sex Education” ou “The End of the F***ing World”, por exemplo, foram gravadas na mesma região do Reino Unido, mas as histórias ignoram o local onde estão — parecendo, muitas vezes, que as narrativas se desenrolam nos EUA.

O elenco inclui nomes como Gabrielle Creevy, Jo Hartley, James Wilbraham, Poppy Lee Friar, Rhodri Meilir ou ​​​​Alexandria Riley, entre outros.

Carregue na galeria para conhecer as novidades de julho no mundo das séries.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT