Televisão

Lembra-se de “Austrália”? Filme com Nicole Kidman e Hugh Jackman passou a série

"Farraway Downs", disponível na Disney+, vai ter 60 minutos de cenas adicionais e um final muito mais triste e melancólico.
Estão de volta.

Muitas vezes vemos uma série e achamos que devia ser um filme — e muitas outras vezes acontece o contrário. “Faraway Downs“, que chegou este domingo, 26 de novembro, à Disney+ é uma das exceções. Porquê? Além de ser um projeto televisivo, também é uma produção de cinema.

Confuso? Nós explicamos. Comecemos pela história deste romance. A narrativa desenrola-se em 1939, com a Segunda Guerra Mundial a aproximar-se a passos largos. Lady Sarah Ashley, interpretada por Nicole Kidman, é uma das protagonistas.

Voou da Inglaterra para a Austrália para vender a enorme quinta do seu marido. Quando chega ao país, descobre que ele morreu recentemente. Em vez de passar o legado daquele espaço a outra pessoa, decide mantê-lo para si, e passa a liderar o rancho. No início não sabe o que faz, mas com o tempo lá aprende.

Ali conhece Drover, que toma conta do gado do ex-marido de Sarah. Apesar de continuar magoada e de luto, acaba por se apaixonar por este homem de aspeto rústico (e bem diferente daquilo a que ela estava habituada).

Na propriedade também acaba por criar uma relação de amizade com Nullah (Brandon Walters), um rapaz com raízes aborígenes. Ao longo do projeto, acompanhamos o relacionamento dos três e o amor que acaba por surgir entre Sarah e Drover e, acima de tudo, entre a protagonista e a quinta que começa a chamar lar.

Esta história parece-lhe familiar? Então é provável que já tenha visto o filme “Austrália”, realizado por Baz Luhrmann. Foi lançado em novembro de 2008 e arrecadou cerca de 193 milhões de euros mundialmente — face a um orçamento de 120 milhões.

Não foi o maior sucesso da carreira do cineasta, que já liderou produções como “Elvis”, “O Grande Gatsby” e “Moulin Rouge”. Isso não impediu, contudo, que o transformasse numa minissérie de seis episódios. A história será a mesma, e o projeto não teve de ser gravado novamente.

A grande diferença é que haverá cenas exclusivas que não chegaram a ser transmitidas nas salas de cinema. O mais importante, contudo, é o final. Em “Austrália”, é um conto de fadas. Em “Farraway Downs” é mais melodramático e quase como um soco na barriga.

Ao todo, a série tem uma duração de 220 minutos (o filme tinha 165). O facto de ser extensa não é uma preocupação para Baz Luhrmann — na verdade, até acredita ser um trunfo. “Toda a gente se anda a queixar das largas durações, mas se formos aos cinemas agora, muitos dos projetos que estão a chamar um grande público são bastante compridos”, diz ao “The Wrap”, fazendo uma referência a “Oppenheimer” (180 minutos) e “Killer of the Flower Moon” (206).

A ideia de ir buscar gravações antigas surgiu durante a pandemia, quando as gravações de “Elvis” tinham sido paralisadas. Começou a olhar para projetos passados e percebeu que podia dar uma nova vida àquele protagonizado por Kidman e Jackman.

“Sinto que o grande tema aqui é o facto de não sermos donos de nada. Não podemos ser donos definitivos de terra, não somos donos dos nossos filhos. Apenas somos donos da nossa história, então é melhor que seja boa. Quando estava a ver as filmagens, percebi que, graças ao streaming, podia realmente apoiar-me nesta temática”, acrescenta.

Outro grande objetivo do cineasta é criar uma distração para os espectadores e que, acima de tudo, se percam na narrativa. “Vivemos num mundo tão caótico, acabámos de sair da pandemia e continuamos a ser atacados com novas dificuldades. Acho que este é um bom projeto porque nos mostra que, afinal, não conseguimos controlar nada. Apenas temos de viver em grande e não recuar face ao medo”, conclui.

Carregue na galeria e conheça outras séries e temporadas que estreiam (ou estrearam) em outubro.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT