Televisão

A nova minissérie dramática da Netflix já é a produção mais vista em todo o mundo

Em Portugal, está no segundo lugar do top. Tem algumas semelhanças com "Midsommar", mas é menos assustadora (e mais dramática).
Está a ser um sucesso.

As paisagens idílicas da Suécia podem ser deslumbrantes, mas neste caso, são tudo menos tranquilizadoras. Nervos em franja é a expressão que melhor caracteriza os cinco episódios de “A Noite do Solstício de Verão”, a série que se transformou no último sucesso da Netflix. É atualmente a série mais vista a nível global — e a segunda em Portugal, com comprovam os rankings da plataforma.

A narrativa tem lugar durante o solstício de verão, ou seja, o dia mais longo do ano. O ambiente é de festa e o romance paira no ar. Mas também é naquele dia que Carina e Johannes, que estão casados há 30 anos, contam à família e amigos um segredo que lhes traz consequências inimagináveis. Embora tenha algumas semelhanças com “Midsommar”, fenómeno do terror protagonizado por Florence Pugh, pende menos para o lado assustador e mais para o lado dramático.

A minissérie explora diferentes tópicos: relacionamentos, casamentos, amor, traição, esperança, sonhos, inveja, perdão e vidas paralelas misteriosas e obscuras. No elenco encontram-se alguns dos maiores nomes da indústria cinematográfica sueca e norueguesa, como Pernilla August, Dennis Storhøi, Amalia Holm, Sofia Tjelta, Linn Skåber, Kim Falck, Christopher Wollter, Fanny Klefelt, Peiman Azizpour, Maria Agwumaro, Eirik Hallert, Liv Osa e Kadir Talabani.

A Netflix descreve “A Noite do Solstício de Verão” como uma produção “emocionante, calorosa, dramática e engraçada”. Esta mistura de géneros só foi possível graças à mente criativa de Per-Olav Sørensen, o realizador de 61 anos, responsável pela criação de êxitos da cultura pop nórdica como “Quicksand”, “The Playlist” e “Nobel”.

“É maravilhoso poder mergulhar em todas as relações que só uma família muito numerosa pode proporcionar e também em todos os segredos que podemos carregar connosco, independentemente do peso”, conta à própria plataforma.

Para o cineasta, o grande foco da obra é o de mostrar aos telespectadores como todos temos vidas paralelas “que somos capazes de viver e esconder das pessoas que mais nos são próximas”. “Nesta festa de verão há espaço para aqueles grandes sentimentos, para grandes revelações e para conversas profundas quando nada corre conforme planeado”, reflete.

 

“É muito fácil de ver graças ao curto número de episódios e baixo tempo de visualização, mas o conteúdo também é muito convidativo”, avalia o site sueco My Fanbase. “O estilo narrativo é definitivamente escolhido de forma inteligente”, acrescenta o crítico. Isto porque, embora grande parte da história decorra durante o solstício, há vários flasbacks que nos mostram uma imagem mais clara de quem são os diferentes personagens.

Entre o elenco, é a atriz Amalia Holm Bjelke, de 29 anos, queM se tem destacado. “Tem uma performance cativante enquanto Hanne, a grande protagonista da narrativa”, descreve o “MEAWW”.

“A presença de Hanne serve como ponto focal para a curiosidade do público. Confusa com a chegada inesperada de Lysander e reticente quanto às próximas ‘grandes notícias’ da família, a atriz interpreta-a com uma mistura de curiosidade e determinação silenciosa (…) os olhos expressivos e mudanças subtis na linguagem corporal transmitem efetivamente a luta interna de Hanne para compreender a dinâmica mutável ao seu redor”, conclui.

Carregue na galeria e conheça outras novidades de abril.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT