Televisão

A nova série documental da Netflix conta a história dos maiores crimes do desporto

Futebol, basket, cavalos. Todos os crimes e esquemas mirabolantes estão nos episódios de "Dinheiro em Jogo".
As histórias são contadas por aqueles que as viveram.

Para muitos, o desporto não é apenas um passatempo, é um negócio — e um dos mais lucrativos. a pressão de ganhar leva, muitas vezes, a atos ilegais que favoreçam um determinado clube, jogador ou até cavalo. “Dinheiro em Jogo”, que estreou a 6 de outubro, é a nova série documental da Netflix que aborda alguns dos maiores escândalos (e crimes) no mundo desportivo.

Este novo projeto está a ser comparado com outros documentários da plataforma de streaming, da coleção “Histórias do Desporto”. Os fãs dizem, carinhosamente, que “Dinheiro em Jogo” é uma continuação destes outros documentários. Mas enquanto o primeiro se foca nas histórias e dificuldades pessoais de vários atletas, como Caitlyn Jenner, “Dinheiro em Jogo” retrata a ganância, depravação e narcisismo que reina muitas vezes na área do desporto, onde os negócios se sobrepõem às pessoas.

Assemelhando-se a “Os Grandes Assaltos da História”, também cada um dos seis episódios desta nova série documental é realizada por uma pessoa diferente. Desta vez, são Luke Sewell, Miles Blaydon-Ryall, Alex Kiehl, Lizzie Kempton, Georgina Cammalleri e James House que dão vida a estas (polémicas) histórias.

“Dinheiro em Jogo” não se foca apenas nos desportos de maior sucesso. Vamos conhecer crimes passados do basket, onde um jogador foi pago para ganhar, mas marcar só até um certo número de pontos. A isto chama-se point-shaving, e é usado para que se faça mais dinheiro em apostas, apostando-se na equipa vencedora, mas com ela a marcar muitos menos pontos do que seria de esperar.

Também são destacados crimes no futebol, como o polémico caso da Juventus que foi tornado público em 2006, quando foi revelado que Luciano Moggi, presidente do clube italiano, influenciava as arbitragens; na patinagem artística a polémica instala-se nas Olimpíadas de Inverno de 2002, onde uma juíza alega estar a ser pressionada para beneficiar a Rússia em detrimento do Canadá.

Existem ainda histórias vindas do campo do pacato cricket, onde Hansie Cronje, o carismático capitão da equipa nacional da África do Sul, é acusado de combinar resultados.

Vai ser contada a história em primeira pessoa de Tommy Burns, que matava cavalos de corridas meses após ser feito um seguro de vida sobre eles. O objetivo era, claro, que os donos recebessem aquele dinheiro que pairava sobre a cabeça dos animais.

Visto que cada episódio é realizado por uma pessoa diferente, as histórias são contadas das mais variadas formas, e recorre-se a diferentes abordagens para contar melhor aquelas histórias. Uma coisa em comum entre todas, no entanto, é o facto de usarem relatos em primeira pessoa daqueles que de uma forma ou de outra participaram nos polémicos e mediáticos casos.

Pode ainda carregar na galeria para descobrir outras novidades da Netflix (e de outras plataformas de streaming e canais de televisão).

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

Novos talentos

AGENDA NiT