Televisão

Novo filme da Netflix recorda a morte macabra do cabeleireiro dos famosos

Conta a história do colombiano Maurício Leal, que morreu esfaqueado aos 47 anos. O caso lembra o de Versace.
Mauricio e a mãe, no filme.

Maurício Leal era o cabeleireiro mais conhecido da Colômbia. Apareceu morto em novembro de 2021, ao lado da mãe. No início, tudo parecia indicar que o crime havia sido cometido pelo próprio. Porém, acabaram por surgir evidências que apontavam para outra versão dos acontecimentos. A Netflix recupera a tragédia no novo filme, a “História de um Crime: O cabeleireiro dos Famosos”, que estreou na quarta-feira, 22 de novembro.

Conseguir uma marcação com Maurício era impossível. Aos 47 anos estava no auge da sua carreira e o seu salão em Bogotá estava sempre lotado. Sabia-se que ia assinar um contrato com a Victoria’s Secret e uma colaboração com a Miss Universo, quando foi esfaqueado até à morte dentro de casa.

Ao lado do corpo do cabeleireiro jazia o da mãe. Todos ficaram em choque, porque, inicialmente, as provas apontavam para um homicídio seguido de suicídio. Ao lado de ambos foi encontrada uma nota, onde se lia: “Amo-vos, perdoem-me, não aguento mais. Aos meus sobrinhos e aos meus irmãos deixo tudo. Todo o meu amor, perdoa-me, mamã.”

O novo filme da Netflix retrata a investigação da tragédia: Soto, uma jovem detetive, interpretada por Juana del Río, tem apenas 20 dias para descobrir o verdadeiro culpado.

Os contornos do caso fazem lembrar o brutal homicídio de Gianni Versace. O estilista italiano, que fundou a Versace, foi morto à porta de casa por Andrew Cunanan, em 1997. Apenas oito dias depois, o assassino acabaria por se suicidar num barco.

“História de um Crime: O cabeleireiro dos Famosos” foi escrito e realizado por Jacques Toulemonde e conta com Juana del Río, Johan Velandia, Walter Luengas, Alejandro Gómez, Myriam de Lourdes, Santana Rosa, Camilo Colmenares, Nelson Camayo e Ernesto Benjumea no elenco.

Carregue na galeria para conhecer todas as grandes séries (e regressos) que podemos esperar para o mês de novembro.

 

Áudio deste artigo

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT