Alimentação Saudável

3 alimentos que precisa de incluir com urgência na sua rotina

O workshop do Holmes Place desvendou propriedades incríveis de alguns alimentos que já comemos diariamente.
Não tem de ser complicado.

Já todos ouvimos falar dos superalimentos como ingredientes milagrosos da alimentação. São “vendidos” como se fossem a cura de muitas doenças, mas é preciso ter atenção aos rótulos que são atribuídos de forma leviana.. A verdade é que alguns desses são de facto alimentos funcionais. Ou seja, “têm características específicas cuja evidência científica está comprovada e que têm benefícios para a saúde. Por exemplo, têm algum nutriente ou alguma propriedade muito específica que vai ajudar a prevenir uma doença ou ajudar até na cura”, explica João Côrça, nutricionista do Holmes Place e um dos envolvidos nos workshops da Plant Based Kitchen.

Entre as tendências encontram-se muitas vezes alimentos que não são parte da base alimentar da maioria dos portugueses. De sementes a frutos tropicais, como o açaí, passando por algumas algas ou pós que podem ser adicionados às refeições, caso da matcha, clorela e outros. A verdade é que não é preciso inventar para encontrar os nutrientes necessários para uma alimentação equilibrada e com nutrientes.

Isto é algo que se percebe facilmente no workshop de alimentação funcional da Plant Based Kitchen, o projeto de alimentação saudável do Holmes Place. Criada em maio de 2020, trata-se de um local, no clube do Palácio Sotto Mayor, em Lisboa, onde todos os meses ocorrem workshops e iniciativas para promover a dieta à base de plantas.

Neste encontro, João Côrça mostrou como é simples cozinhar sem proteínas animais. Até porque “se olharmos para os alimentos considerados como funcionais, são praticamente todos de origem vegetal e, além disso, no seu estado, puro”, explica o nutricionista. Falamos de vegetais, frutas, cereais integrais, leguminosas, sementes, algas e frutos oleaginosos.

Apesar de alguns produtos aqui inseridos poderem parecer menos comuns na nossa alimentação, na realidade, os seus benefícios estão também em coisas simples que consumimos todos os dias e nem sabemos a sua importância.

“O azeite é uma gordura que tem vitamina E, características anti-inflamatórias e ajuda a promover a saúde cardiovascular”, adianta o especialista que refere ainda a importância dos frutos silvestres e do iogurte, neste caso de base vegetal, como os de soja.

Os primeiros, onde se incluem morangos, mirtilos, amoras e framboesas, têm um baixo valor calórico e um alto poder antioxidante. A ciência já provou os benefícios destes frutos no que diz respeito à melhoria da saúde cardiovascular e neuronal. Já o iogurte “é uma fonte de proteína e de cálcio. Além disso, por ser um alimento com características probióticas, vai ajudar a reforçar o sistema imunitário, melhorar a nossa microbiota intestinal e isso vai fazer com que tenhamos garantidamente mais saúde”.

À parte destes alimentos escolhidos pelo nutricionista — e que foram usados no workshop de alimentação funcional —, houve outros que se destacaram nesta iniciativa.

Por exemplo, a kombucha, sobre a qual foi ensinado todo o processo (que equivale ao mesmo que cuidar de uma planta quase, como brincou o nutricionista), é conhecida por prevenir o desenvolvimento de diabetes mellitus ou cancro. Já o gengibre, ao qual muitos recorrem (e bem) para a tosse ou gripes, é também um aliado na prevenção do cancro.

O mesmo acontece com as algas que pode começar já a incluir nas saladas. Acredite: são mais simples de preparar do que pensa.

“Se compradas no formato desidratado, basta hidratar em água por cinco minutos e depois é só juntar a saladas e temperar como habitualmente.” Estas são também anti-inflamatórias e anti-diabéticas. Para doenças crónicas como artrite, síndrome metabólico, doença hepática, obesidade ou doenças neurodegenerativas, a cúrcuma pode ser usada em chás ou reduzida a pó e adicionada a molhos.

Não devendo nenhuma ser usada para curar qualquer doença sem acompanhamento médico, a verdade é que inseridas na alimentação regular podem trazer benefícios e prevenir situações complicadas. O nutricionista refere até a importância de alguns destes alimentos no ciclo feminino.

“Se as mulheres tiverem uma alimentação com mais características anti-inflamatórias, que é uma das características da alimentação plant-based, garantidamente vão conseguir ter até um ciclo menstrual mais tranquilo, com menos dor e, portanto, com menos transformações de humor, que são muito características deste ciclo”, explica João.

Com tantos pontos positivos, só resta mesmo comprar alguns dos ingredientes e procurar receitas para incluí-los no dia a dia. Os mais curiosos pelo mundo da alimentação à base de plantas, podem descobrir os próximos workshops da Plant Based Kitchen no site do Holmes Place.

Até lá, carregue na galeria para conhecer algumas das receitas que aprendemos no workshop de alimentação funcional.

Áudio deste artigo

Este artigo foi escrito em parceria com o Holmes Place.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT