Alimentação Saudável

7 dicas simples (e fáceis de aplicar) para não engordar neste confinamento

A nutricionista Bárbara de Almeida Araújo explicou tudo à NiT.
Nada tema.

Um bocado de pão ali, uma bolacha acolá e o ciclo repete-se. Estar em casa pode ser um enorme desafio para quem tem dificuldade em controlar o apetite e para as pessoas que colmatam a ansiedade e o receio na comida. Ambos as situações podem comprometer a dieta e levar a um aumento de peso.

A cozinha está logo ali ao lado e é mais fácil passarmos o dia a petiscar e nos refugiarmos na comida como forma de compensação. Ficarmos mais tempo em casa faz com que as pessoas comam mais devido à chamada ‘fome emocional’, ou seja, que tenham mais vontade de comer”, confirma a nutricionista Bárbara de Almeida Araújo.

Segundo a especialista, que é também autora do blogue “Manias de Uma Dietista”, é esta fome que promove o aumento de peso e que leva a um consumo energético superior ao necessário.

Qual é o truque para contornar isto? Manter alguns hábitos fundamentais que, ao contrário do que se possa pensar, são simples e muito fáceis de aplicar. Pode tomar nota.

1. Manter a rotina alimentar

“É importante manter o mesmo número de refeições que faz habitualmente — o snack da manhã pode não ter necessidade de fazer mas pelo menos o lanche da tarde deve procurar manter. Porquê? Porque isto vai ajudar a controlar a fome e, desta forma, a fazer menos disparates ao longo do dia.”, recomenda.

2. Criar uma ementa semanal

Segundo a nutricionista, planear as refeições com antecedência ajuda a criar rotina, evita desperdícios e que se faça uma refeição pouco saudável. Resumindo: é meio caminho para tudo correr bem.

3. Fazer uma lista de compras

Faça uma lista de compras com base na ementa planeada. Esta dica é tão importante como as anteriores. Assim, é mais fácil evitar comprar alimentos desnecessários e pouco saudáveis. “Se não consegue resistir em colocar um chocolate, bolachas ou outros alimentos calóricos. Faça as compras online — a probabilidade de comprar é menor, já que quando não vemos não temos tentação”, diz à NiT. 

Ter uma lista de compras é esencial.

4. Beber água

Sim, é básico, mas são tantas as pessoas que ignoram este passo. Não se esqueça de beber água, mesmo que em casa seja mais difícil. O ideal seria beber entre 1,5 a dois litros de água por dia. Chá sem açúcar também é uma boa opção. Uma hidratação é essencial para o bom funcionamento do organismo mas também para a saciedade, já que muitas vezes confundimos a sensação de sede e fome. Pode colocar um alarme no telemóvel para que nunca se esqueça.

5. Comer mais alimentos ricos em fibra

Os alimentos ricos em fibra como as frutas com casca, verduras, cereais integrais, sementes e oleaginosas promovem a sensação de saciedade. Inclua-os no seu dia a dia.

6. Controlar a quantidade de alimentos ingeridos

“Reduza a quantidade de alimentos ingeridos nas refeições. A razão é simples: nossa atividade reduziu drasticamente, assim como as necessidades energéticas. Um truque: se é daquelas pessoas que repetia o prato, evite fazê-lo. Outra sugestão é usar o prato de sobremesa como medida para a refeição da noite. Assim irá comer menos, mas visualmente tem um prato cheio”, sugere Bárbara de Almeida Araújo.

7. Fazer uma ingestão adequada de proteína ao longo do dia

Isto irá permitir manter a massa muscular e promover a saciedade ao longo do dia. Além disso, o nosso corpo gasta mais calorias a digerir a proteína do que os hidratos de carbono. 

Para ajudar, a NiT sugere almoços saudáveis e ricos em proteína para fazer em dez minutos. Cuscuz com frango, crepioca de camarão e cogumelos recheados são alguns deles. Carregue na galeria para conhecer as receitas.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT