Alimentação Saudável

A maioria prefere cerveja mas a sidra tem cada vez mais fãs: sabe qual é mais saudável?

Há quem prefira uma ou outra, mas sabores e gostos à parte, qual é a mais benéfica para a saúde? A nutricionista explica.
A dúvida fica esclarecida de uma vez.

Um dos momentos mais aguardados dos últimos dois anos está aí: amanhã, 18 de junho, Lisboa recebe o primeiro festival de verão. Após tantos cancelamentos deste tipo de eventos, é tempo de celebrar. Muitos fazem-no com uma imperial na mão, enquanto outros optam por copo de sidra. Há alguns anos passou a vender-se à pressão em Portugal e hoje é quase tão comum como a cerveja — o que reflete o número cada vez maior de adeptos que foi conquistando.

Sabores e gostos à parte, há uma pergunta que continua a pairar na cabeça de muitos: qual das duas bebidas é a mais saudável? A nutricionista Lillian Barros explicou à NiT que embora muitas pessoas pensem que são relativamente parecidas, a verdade é que são até bastante distintas. Tanto em termos de ingredientes, como em termos de valor nutricional. Comprando, por exemplo, uma cerveja da Superbock, com uma sidra do mesmo grupo, a Somersby, a bebida feita de maçã é mais calórica que a produzida a partir de cevada.

Por cada garrafa com 330 ml, a cerveja desta marca apresenta 132 calorias, enquanto a sidra tem 208. A nível dos hidratos de carbono os valores também são díspares — sidra tem 30,4 gramas contra os 8,6 gramas da cerveja. Destes, a cerveja tem duas gramas de açúcar e a sidra 28,7 gramas. Em relação à proteína, apenas a bebida de cevada tem estes nutrientes, com duas gramas.

“A cerveja é uma das bebidas alcoólicas menos calóricas”, avança a especialista em nutrição. Uma imperial tem cerca de 70 calorias. O valor calórico de muitas bebidas destiladas está ligado à quantidade de álcool e de açúcar das mesmas mas, no caso da cerveja, esta não contém açúcar. A nutricionista indica que esta bebida fermentada é composta por 90 por cento de água. As marcas portuguesas mais comuns têm quatro a cinco por cento de álcool (com exceção das artesanais) e quantidades mínimas de fibra solúvel e hidratos de carbono.

A importância dos rótulos

A leitura dos rótulos dos alimentos é uma forma de obter informação sobre o que ingerimos no nosso dia a dia e o mesmo se aplica às bebidas. Quando consultamos o rótulo de uma garrafa de cerveja verificamos que é composta maioritariamente por água, seguida do malte de cevada, cereais não maltados (milho e cevada) e lúpulo — uma planta que confere o aroma amargo à bebida.

É uma lista de ingredientes curta e bastante simples, sobretudo se a compararmos com a da sidra. Cada Sombersby é feita com água, mosto de maçã — água, açúcar e sumo de maçã concentrado —, açúcar, sumo de maçã concentrado, dióxido de carbono, acidificante — ácido cítrico—, aroma natural, conservante: sorbato de potássio e corante E 150c.

Observando a lista de ingredientes, percebemos que a sidra tem açúcar adicionado como terceiro ingrediente e vários outros aditivos. “Ao analisarmos a declaração nutricional, podemos constatar que a quantidade de açúcar adicionada é elevada, fazendo com que uma simples garrafa contenha quase 30 gramas de açúcar“, alerta Lillian Barros. “A cerveja, embora tenha malte de cevada, um tipo de açúcar, acaba por não o conter em grande quantidade. Para além disso, contém lúpulo, um composto que parece ter alguns benefícios para o organismo”, acrescenta.

A nível calórico, a sidra contém quase o dobro das calorias da cerveja. Em contrapartida, a sidra apresenta menor teor alcoólico. Não obstante, continua a perder o pódio na disputa contra a cerveja. “Muito embora a cerveja pareça ser a clara vencedora, é importante frisar que não deixa de ser uma bebida alcoólica, pelo que deve ser consumida com muita moderação“, alerta a nutricionista.

Lillian Barros adianta que, em comparação com outras bebidas alcoólicas, a cerveja é a que detém maior quantidade de hidratos de carbono, proteínas, vitaminas e minerais, bem como de algumas fibras alimentares.

Os benefícios da cerveja

Se eliminou esta bebida da alimentação para evitar ganhar peso, ou pelos malefícios para a saúde, talvez não tenha sido a melhor opção. O consumo leve a moderado de álcool parece reduzir a resistência à insulina — um fator de risco para a diabetes — bem como o risco global de desenvolvimento da diabetes tipo 2. Porém, se ingerir álcool de forma exagerada, estes benefícios anulam-se e pode mesmo correr sérios riscos de desenvolver outras doenças relacionadas com o alcoolismo.

Além deste benefício, beber cerveja com moderação pode ajudar à manutenção da densidade óssea e ainda diminuir o risco de desenvolver demência.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT