Alimentação Saudável

O imprevisto alimento que amadurece como um arco-íris (e o que cada cor nos dá)

Porque é que os pimentos têm diferentes cores — e o que temos a ganhar com isso? Uma nutricionista explica tudo.
O que os diferentes pimentos nos dão.

Na hora de sentar à mesa, a cor não é uma simples questão estética. Na verdade, no que a alimentação diz respeito, há muitas teorias mas nem todas se aplicam a todas as pessoas. Há, no entanto, possíveis exceções. Uma delas é a velha lição cromática: um prato colorido costuma ser bom sinal. Aqui a cor tem subjacente a ideia de variedade nutricional. Mas a cor pode também contar um pouco da história de alguns alimentos em particular.

É nesta categoria que entra o pimento, uma opção que encontramos facilmente nos frescos durante todo o ano mas que no verão é ainda mais versátil. Tanto pode ser a base principal de uma refeição, como pimentos recheados, um acompanhamento a ter em conta ou mais um ingrediente a juntar a uma salada, por exemplo.

No entanto, é possível que, mesmo entre os fãs de pimento, haja quem até tenha preferências pela cor, sem saber ao certo o que há ali de diferente (para lá da cor, como é óbvio). À NiT, a nutricionista Ana Bravo explica que “o pimento pertence à mesma família botânica da beringela e do tomate e teve origem na América Central e do Sul”.

Provavelmente já ouviu alguém dizer que tomate não é legume, mas sim um fruto. Ora o pimento pode ser categorizado da mesma maneira (embora muitas vezes pensemos nele como um vegetal). Para o que aqui nos interessa, não tem mal: é o lado nutritivo que queremos destacar.

Mas porque é que têm uma cor diferente? “A maturação é responsável por influenciar a cor e sabor dos pimentos, uma vez que a colheita é escalonada, iniciando-se com os frutos ainda verdes”, destaca. “Se ficarem na planta durante mais tempo amadurecem e a sua cor passa de verde a vermelha, amarela, alaranjada ou roxa”. É toda uma evolução feita em modo arco-íris.

Os pimentos não são todos iguais.

Isto tem reflexo logo no sabor. “Por ser colhido antes de amadurecer, o pimento verde apresenta um gosto mais forte, diferente dos outros que, por estarem maduros, são mais suaves e levemente adocicados”, destaca a nutricionista. Não estranhe se o preço deles também variar. Como o verde é colhido mais cedo, por padrão também costuma ser o mais barato.

Assim como a cor, a quantidade de nutrientes varia ligeiramente conforme o pimento amadurece “O vermelho tem mais betacaroteno (percursor de vitamina A) e o amarelo tem a maior concentração de vitamina C”, salienta.

Além das características que alguns pimentos de determinada cores podem ter sobre outros, têm todos alguns trunfos em comum. Afinal de contas, todos são ricos em fibras “ajudam regular do trânsito intestinal”. Além disso, “têm potencial antioxidante” e ajudam na absorção de ferro. Como são pouco calóricos (têm à volta de 20 calorias por 100 gramas) e ajudam a saciar, é natural que sejam uma escolha a ter em conta para quem quer controlar melhor o peso.

Ora o que tudo isto nos diz é que, que quem gosta de pimento, pode — e muito bem — continuar a brincar com as cores. E não, não tem problema algum se se sentir criativo e no mesmo prato ou salada quiser mais do que uma cor de pimento. Afinal de contas, a tal ideia de que à mesa as diferentes cores são bem-vindas também se aplica aqui.

Já que falámos de saladas mais acima, está na altura de acabar de vez com a ideia de que as saladas são refeições chatas e sem sabor. Carregue na galeria e descubra 17 saladas deliciosas para experimentar nos próximos meses (e manter a dieta).

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT