Alimentação Saudável

Quer que os seus filhos continuem a comer de forma saudável nas férias? Siga estas dicas

Com o fim das aulas, há boas práticas que não devem ser esquecidas. Uma nutricionista dá sugestões sobre o que fazer.
Sugestões para os miúdos (e pais).

A razão pela qual é importante os miúdos começarem desde cedo a fazer escolhas saudáveis à mesa, não é só pelos ganhos de saúde (imediatos e para os anos seguintes). É também pelos hábitos que se vão cimentando desde cedo.

A obesidade infantil é uma das grandes preocupações nas escolas. Há o impacto físico direto mas também o impacto que pode ter a nível emocional e da auto-estima. A escola é essencial no que diz respeito a comer bem. Mas não é por ano letivo ter terminado que as boas lições devem ser esquecidas. 

“Uma refeição intercalar como o lanche é muito importante para o equilíbrio do dia alimentar de forma a garantir que o organismo tem sempre disponíveis a energia e os nutrientes de que necessita, lembra a nutricionista Ana Leonor Perdigão, ligada ao grupo Nestlé.

Para mostrar que há muito mais do que doces no universo, a marca suíça criou o programa Crianças Mais Saudáveis, projeto que andou pelo País e que, segundo a própria marca, terá chegado a cerca de 1.300 escolas e mais de 130 mil crianças, entre os 4 e os 12 anos de idade.

O grande foco do programa era precisamente dar mais dicas aos mais novos para que desde cedo desenvolvam hábitos e aprendam a comer melhor. Com o fim do ano letivo, a nutricionista deixa agora algumas linhas orientadoras. São para as crianças que já sabem ler e interpretar, para todos os pais e, na verdade, até merecem ser espreitadas pela população em geral. Afinal de contas, comer bem é daquelas lições para a vida.

Como regra, realça a nutricionista Ana Leonor Perdigão, no lanche devem estar sempre presentes algumas opções em particular: um produto lácteo (que pode ser leite, iogurte ou queijo); uma fruta ou legume fresco; uma fonte de hidratos de carbonos complexos para fornecer energia, como pão de mistura ou integral, barras ou cereais ricos em cereais integrais e uma bebida para hidratar, “privilegiando a água”, claro.

Eis alguns exemplos de sugestões alimentares da nutricionista, que dão para ir servindo de inspiração e para ir variando durante a semana:

— Um pacote de leite meio gordo + uma maçã + duas tostas integrais

— Meio pão de cereais com queijo + palitos de cenoura + duas nozes

— Um pão de cereais com fiambre de peru ou frango e alface + uma banana

— Uma barrita de cereais com cereais integrais + um iogurte

— Um ovo cozido + duas mini-panquecas (por exemplo, feitas em casa)

— Um pão de mistura com pasta de grão (húmus) + Um pacote de leite meio gordo + quatro morangos.

Não são só os miúdos que devem procurar alternativas. Com o teletrabalho a ganhar força à conta da pandemia, veio também aí novo desafio. Sempre que sentir um ataque de fome, respire fundo e depois vá até à cozinha buscar uma das sugestões da nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida.

Embora algumas opções também obriguem a moderação são alternativas mais interessantes do que muitos doces e salgados. Carregue na galeria para conhecer, então, a lista de 12 snacks para comer enquanto está em teletrabalho.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT