Alimentação Saudável

Se está de dieta, a fruta cristalizada é proibida — diga adeus ao Bolo Rei no Natal

Esta iguaria é rica em açúcar e calorias. É inimiga dos diabéticos e de quem quer perder peso.
A fruta cristalizada é típica da altura do Natal.

O Natal aproxima-se e com ele os Bolo Rei repletos de frutas cristalizadas invadem as vitrines das pastelarias: sonho para alguns, pesadelo para muitos. Se calhar nunca pensou bem nisso, mas estas frutas não são nada amigas da sua saúde — e da balança muito menos.

“O processo de cristalização da fruta consiste em substituir quase toda a água da fruta por uma calda de açúcar”, começa por explicar a nutricionista Bárbara de Almeida Araújo à NiT. Este processo impede que a fruta se deteriore, mantendo-se própria para consumo durante muito tempo. No entanto, torna-a muito mais rica em açúcar e em calorias.

No que respeita à saúde, “a sua elevada concentração deste doce faz com que provoque uma subida rápida dos níveis de glicose, não sendo indicada para pessoas com diabetes”, explica a nutricionista. 

Existem dois tipo de diabetes — tipo 1 e tipo 2. “A diabetes tipo 1 é a principal doença crónica diagnosticada nos jovens e crianças”, explica o médico Bruno Almeida, diretor clínico adjunto da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal. No mundo, cada vez mais crianças obesas têm sido diagnosticadas com diabetes tipo 2: uma patologia normalmente presente em idades mais avançadas em que o pâncreas já não consegue produzir insulina suficiente para equilibrar os níveis glicémicos.

Os sintomas mais associados à diabetes tipo 1 são a sede excessiva, o cansaço, fadiga e são mais fáceis de diagnosticar que o tipo 2. No entanto, quando são detetados os diabetes tipo 1, requerem obrigatoriamente o uso de insulina. “Nos diabetes tipo 2, as pessoas conseguem andar durante anos com níveis glicémicos elevados, que não causam sintomas graves e  conseguem passar despercebidos”, afirma Bruno.

Bruno Almeida afirma ainda que, na sua maioria, o população portuguesa não sabe ler os rótulos dos alimentos e 75 por cento não presta atenção às listas de ingredientes no momento da compra dos alimentos. Uma falta de conhecimento que pode revelar-se problemática quando o objetivo é ingerir menos açúcar, por exemplo.

E é aqui que entra a fruta cristalizada que muita gente come no Natal, principalmente pessoas com mais idade que ainda seguem à risca a tradição natalícia de comer Bolo Rei. 

Estas frutas não são apenas prejudiciais para a saúde e têm uma influência direta nos quilos que a balança regista. “Também não são indicadas para pessoas que estejam a tentar perder ou controlar o peso por ser extremamente calórica”, alerta a nutricionista. 

O açúcar é um dos adoçantes mais utilizados em Portugal, mas existem vários outros ingredientes que o podem substituir e são mais saudáveis. Carregue na imagem e conheça sete formas de adoçar a comida sem utilizar açúcar.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT