Alimentação Saudável

Se já tentou reduzir o consumo de açúcar e não conseguiu, experimente este método

A terapeuta Rita Guerra explica à NiT como a acupuntura ajuda a tratar a vontade descontrolada de comer açúcar.
Pode ser um problema grave.

Está na altura de virar costas aos chocolates, às bolachas, aos gelados e a muitas outras coisas que sabem bem, mas — e há sempre um mas — estão carregadas de açúcar. Até em muitos alimentos salgados processados. Na verdade, está por todo o lado e é considerado o grande vilão do século XXI. Além de dificultar o processo de perda de peso, é mau para a saúde no geral e pode ser viciante.

Se lhe é difícil resistir a uma fatia de bolo e não consegue parar de comer gomas até o pacote ficar vazio é porque, muito provavelmente, o seu corpo está viciado em açúcar. Este alimento causa dependência e quanto mais ingerimos mais vontade temos de continuar a fazê-lo. Não pense apenas que é uma questão de força de vontade, até porque não é bem assim. A verdade é que o açúcar provoca uma sensação de prazer e bem-estar que se apodera de nós, atuando de forma semelhante às drogas.

Por isso é que quando o dia corre mal, estamos chateados ou tristes, temos a tendência de comer algo doce para compensar. A nutricionista Sónia Marcelo explica à NiT que isto acontece porque “associamos emoções negativas ao sabor e às sensações positivas que o açúcar nos proporciona. Resultado: ficamos sempre a querer e a precisar de mais e mais açúcar”.

Como combater este vício?

Além das alternativas nutricionais, como beber muita água, apostar em snacks saudáveis e eliminar a quantidade de hidratos de carbono refinados existem outros métodos que tratam o problema de forma eficaz, desde a raiz. A acupuntura é um deles.

Reversível, indolor, sem efeitos secundários, esta forma de medicina alternativa é uma das terapêuticas mais difundidas do mundo. De origem oriental e com mais de 5 mil anos de existência, a técnica tem vindo a ser aperfeiçoada ao longo do tempo e atualmente é uma opção viável para inúmeros tratamentos.

Rita Guerra, especialista em Medicina Tradicional Chinesa explica à NiT que “as pessoas mais ansiosas têm necessidade de compensar os desequilíbrios emocionais e energéticos com ingestão de doces e a acupuntura, apoiada por outras áreas da medicina tradicional chinesa, ajuda a identificar e tratar a causa do desequilíbrio emocional”.

“Na medicina tradicional chinesa cada órgão energético está ligado a um sabor”, começa por esclarecer a especialista. “O fígado está ligado ao sabor ácido, o coração ao sabor amargo, o baço e o pâncreas ao sabor doce, os pulmões ao sabor picante e os rins aos sabores salgados”, acrescenta.

“Quando existe um vazio de um órgão, sobretudo no baço ou pâncreas, o paciente apresenta muitas preocupações que resultam na necessidade de comer mais doces. Esta é uma forma que o organismo tem para alimentar este órgão que está ‘vazio’. Cabe ao terapeuta analisar e depois de um bom diagnóstico perceber se a necessidade de consumir doces tem ligação direta com esse vazio”, sublinha a terapeuta.

Para isso, Rita Guerra começa por pedir aos pacientes para optarem por comer algo com doce, “como abóbora, batata doce e mesmo o chocolate negro, porque vão alimentar este órgão e as emoções”, refere. Depois, conforme os resultados analisa quantas sessões de acupuntura podem fazer ajudar a controlar a vontade compulsiva de comer doces. 

A terapeuta salienta que “durante os processos os pacientes estão sempre acordados, autónomos e colaborantes e não sentem qualquer desconforto, uma vez que as agulhas — mais finas que fio de cabelo — são colocados em pontos estratégicos que não causam dor”.

Carregue na galeria para descobrir mais dicas fáceis para controlar a fome e o peso.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT