Alimentação Saudável

Uma nutricionista explica o que deve saber antes de escolher o pão a comprar

Dos aditivos a evitar às bem-vindas sementes, a nutricionista Sónia Marcelo dá uma ajuda.
A nutricionista dá uma ajuda.

Gostamos dele ao pequeno-almoço e de o ter por perto na hora de almoçar. Salva qualquer lanche e mesmo à noite costuma ser uma escolha quando se quer um último snack. O pão é presença obrigatória na cozinha e mesa de qualquer português.

O facto de gostarmos tanto de pão é coisa para deixar pequenas armadilhas ao longo do dia na nossa dieta. A boa notícia é que não lhe vamos dizer que o pão é alimento proibido. Longe disso.

A nutricionista Sónia Marcelo, autora do blogue “Dicas de Uma Dietista”, deu uma ajuda à NiT para a próxima vez que for à padaria. São conselhos simples, práticos e, asseguramos, fáceis de recordar.

O que há a fazer, adiantamos desde já, é ter cuidado na hora de escolher. “O problema não é a sua ingestão, mas sim o tipo de pão e a quantidade ingerida”, costuma alertar a nutricionista.

O que deve ter

Comecemos em primeiro por aquilo que deve procurar. A referência mais simples e visível é perceber se tem sementes. Se for caso disso, é bom sinal. Em particular se forem linhaça, sésamo, chia, girassol ou papoila, por exemplo. Depois pode espreitar o rótulo para descobrir um pouco mais sobre o produto.

Uma coisa que deve ter em conta é se o pão foi feito com farinhas integrais. A lista é grande de opções e inclui coisas como farinha de  aveia, centeio, espelta ou kamut, por exemplo.

Se se der o caso de ter farinha de trigo branca (esteja atento ao T55 para melhor a identificar), aqui há um valor a ter em conta: “evitar que seja superior a 25 por cento”, explica à NiT Sónia Marcelo. “Idealmente”, acrescenta ainda, pode ter “massa mãe e não fermento”.

O pão não é todo igual.

O que não deve ter

Depois de saber aquilo que deve ter, chegou a altura de vermos o que não deve ter. Na hora de ir às compras, já se sabe, não é por algo dizer “light” ou “0%” que é necessariamente mais saudável.

No pão isto também se aplica mas na forma como alguns detalhes se podem esconder. É o caso do açúcar: “sacarose, xarope de…, palavras que terminem em ose” são alguns dos alertas que a nutricionista deixa.

Não se esqueça também de ver sempre se há algum “E” seguido de um número por perto: cada um daqueles “E” é um aditivo alimentar. Deve também evitar conservantes e que tenha gorduras, “principalmente as hidrogenadas”, alerta a nutricionista. Alguns exemplos que muitas vezes caem nesta categoria são os do pão de leite, o croissant, pão para hambúrgueres e cachorros e pão de forma branco.

Sónia Marcelo realça que ela própria já ouviu muitas pessoas dizerem que “comem ‘pão escuro’, talvez porque esta nomenclatura se propagou como sendo a correta e saudável”. No entanto, também aqui é importante ver de que estamos a falar e muitas vezes a nutricionista verifica que este tipo de pão não possui qualquer tipo de farinha integral, nem mistura de farinhas, “mas apenas farinha de trigo T55 ou T65 e sementes”. Pode, por isso, haver outra opção mais saudável.

Quando bem escolhido, o “pão é uma alimento saudável e deve fazer parte da sua alimentação”. Não precisa de o ter a todas as refeições e, como em tudo, não deve abusar na quantidade hora de comer. Os mesmos cuidados aplicam-se na hora de escolher o que vai barrar ou acompanhar o pão. Ainda assim, os tais snacks que por vezes podem passar rasteira a uma dieta podem ser facilmente resolvidos com o pão certo.

Já que aqui está, e se até gosta de fazer pão caseiro, a NiT tem mais sugestões para lhe dar. Carregue na galeria para tomar de dez receitas de pães saudáveis para fazer em casa.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT