Ginásios e outdoor

A impressionante forma física de Tom Hardy — que está sempre em mudança

De modelo a aventurar-se na passerelle a brutamontes do mundo dos super-heróis, ele tem feito de tudo.
Tom Hardy tem 44 anos.

Para um ator, o desafio varia sempre em função do que pede a personagem. Há atores que nos habituamos anos a fio a ver no mesmo tipo de papéis. E depois há autênticos camaleões, capazes de transformações a todo o momento. 

Tom Hardy é desta última categoria. E tem o provado ano após ano, filme após filme, que podemos sempre esperar um Tom Hardy diferente. Isso já é visível nos sotaques. Já o vimos com diferentes sotaques britânicos, alguns bem raçudos, outros de outras eras. Já o vimos com diferentes sotaques americanos. E depois há os papéis de vilão (Bane) ou anti-herói, como a sua mais recente reencarnação de Venom.

Mas este talento é visível também na forma como dedica o seu corpo à sua arte. E aqui já tem impressionado nas transformações, mais ainda quando a sua primeira aparição pública até foi na passarelle, como aspirante a modelo num programa britânico. Foi em 1998, tinha apenas 20 anos.

Na verdade. Ainda demorámos alguns anos a perceber esta capacidade transformadora do ator de origem britânica. Foi como soldado na premiada minissérie da HBO “Irmãos de Armas” que começou a surgir em Hollywood. Nos anos seguintes andaria pelo mundo do crime (“Layer Cake”, de 2004) ou até numa versão mais estilizada da corte francesa do século XVIII (“Marie Antoinette”). Até que chegou 2008.

Foi neste ano que descobrimos uma outra dimensão do ator, tanto física como de interpretação. Em “Bronson”, assume o papel de Charlie Bronson, o mais violento prisioneiro da história do Reino Unido. Um ano antes, o ator destacara-se em “Stuart: Uma Vida ao Contrário”, no papel de um toxicodependente. Perdera 12 quilos para o papel. De repente, tinha que ganhar em poucas semanas o corpo de um brutamontes cujo físico foi desenvolvido anos a fio entre lutas na cadeia.

“Foi uma corrida contra o tempo”, já recordou em entrevistas. Apostou em trabalhar ombros e braços principalmente, com rotinas de exercícios que imitavam o que seria possível fazer numa cadeia, com muitos abdominais, flexões e elevações.Era um treino explosivo, intenso, desenhado para transformar o mais rapidamente quanto possível massa em músculo.

O plano não era algo estético mas algo que impressionasse. Comia frango e arroz várias vezes ao dia, repetia exercícios todos os dias. “E depois copia pizza, Häagen-Dazs e Coca-Cola. Não eram coisas boas mas tinha de ganhar peso. Precisava de uma camada de gordura porque o Bronson era assim quando era novo”. “Na altura em que terminei, parecia ter umas pernas de cegonha comparado com a parte de cima do meu corpo”, já explicou à “AskMen”.

Bronson foi um papel que lhe abriu ainda mais portas. Entraria em 2010 em “A Origem” e, um ano depois, nova transformação, desta vez para interpretar um lutador de artes marciais em “Warrior: Combate Entre Irmãos”.

Aqui o que o papel pedia era um físico mais musculado, mas elegante. Tinha o lado da força mas tinha de ser ágil o suficiente para assumir o papel. Foi nessa altura que começou até a treinar jiu-jitsu brasileiro. Ficou fã da arte marcial e continua a praticá-la várias vezes por semana. Aos 44 anos, e uma década após começar, é cinturão azul.

Já ganhara e perdera peso, e depois veio Bane. O intimidante vilão de “O Cavaleiro das Trevas Renasce” pedia novamente músculos de braços, ombros e pescoço algo desproporcionais. Ganhou 13 quilos, até ficar com cerca de 90, e mais uma vez com treinos que poderiam ser feitos num espaço apertado, como se de uma prisão se tratasse. O desafio batia certo com a personagem e até com o que fizera em Bronson, mas com outro extra: desta vez era já no mundo dos super-heróis e super-vilões que iria estar.

“A minha abordagem era fazer muitas repetições para enviar mensagens aos meus músculos. Isso ajuda-os a crescer de uma maneira que não se consegue fazer só num treino de ginásio. Para conseguir músculos densos, é preciso um tipo específico de treino”. Ele fê-lo.

No seu regresso ao papel de Venom, o treino voltou a envolver bastante artes marciais e pelo menos desta vez não é preciso ser algo tão desproporcional. O simbionte alienígena com quem tem alucinados (e por vezes hilariantes) diálogos acaba por fazer parte do trabalho com CGI. Mas não nos enganemos, de “Mad Max” a “Peaky Blinders”, passando pela série “Taboo”, o ator continua a mostrar uma versatilidade impressionante.

O próprio realça que o seu colega Christian Bale (e rival no ecrã Batman) já teve transformações ainda mais impressionantes. O que não quer dizer que as mudanças e o peso do tempo não se façam sentir.

“Acho que pagas o preço com qualquer mudança física drástica”, admitia Hardy recentemente ao “The Daily Beast”. “Era tudo bem quando era mais jovem… mas quando chegas aos 40, tens que estar mais atento aos treinos intensos. Às vezes não tens tempo para treinar o suficiente porque estás ocupado a filmar, e é como se o teu corpo estivesse a ir em duas direções diferentes. Eu não danifiquei o meu corpo, mas com certeza estou um pouco mais dorido do que antes. Tenho articulações que fazem cliques que se calhar não deviam fazer. E se calhar carregar os meus filhos é um pouco mais difícil do que costumava ser mas não lhes digam isso”, brincava.

O ator continua a destacar-se em papéis onde o físico importa. É também um caso de aprendizagem e melhorais com o tempo. Hoje em dia é cuidado nos treinos e alimentação mas o próprio já contou que na sua juventude lidou com vícios, incluindo álcool e crack.

Fora do ecrã, casou cedo, em 1999, com a produtora Sarah Ward. Divorciaram-se em 2004. Conhece a assistente de realização Rachael Speed ​​em trabalho em 2005 e tiveram um filho em abril de 2008, antes de se separarem no ano seguinte. Foi nesse ano que começou uma relação com a também atriz Charlotte Riley. Casaram em 2014 e já foram pais duas vezes (em 2015 e 2018).

Aos 44 anos, e depois de ter interpretado um Al Capone já mais velho e atormentado pelo seu passado, em “Capone” é agora de novo Eddie Brock em “Venom: Tempo de Carnificina”. O filme estreou nos cinemas nacionais na quinta-feira, 14 de outubro, mas já podemos antecipar mais mudanças, que ele há-de voltar ao seu papel de Mad Max. Tom Hardy continua a mudar no ecrã e nós a acompanhar.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

Novos talentos

AGENDA NiT