Ginásios e outdoor

Kirstie Alley vivia em guerra. Travou longas batalhas contra a adição e o excesso de peso

A atriz foi vítima de um cancro do cólon, recentemente descoberto. A doença poderá ter sido consequência do seu estilo de vida.
A oscilação de peso era notória.

A morte de Kirstie Alley foi anunciada esta segunda-feira, 5 de dezembro. A norte-americana de 71 anos foi vítima de  de cancro do cólon, uma doença silenciosa, muitas vezes diagnosticada tarde demais. Terá sido o caso da atriz que, segundo o comunicado divulgado pelos filhos no Twitter, travava uma dura batalha contra o cancro “descoberto apenas recentemente”.

A derradeira e curta luta contra a doença oncológica foi apenas mais uma das muitas em que a estrela de “Cheers, Aquele Bar” se bateu. Kirstie Alley vivia em guerra contra inimigos que a própria criou — travou longas batalhas contra a adição, e o excesso e a oscilação de peso. Um estilo de vida repleto de excessos que acabaram por deixar marcas irreparáveis.

O vício da cocaína

Kirstie nasceu a 12 de janeiro de 1951, 2em Wichita, no Kansas. E, antes de começar a carreira na televisão, nos anos 70, já combatia a adição. Na sua autobiografia, “How To Lose Your A** And Regain Your Life”, publicada em 2005, a atriz revelou que havia sido viciada em cocaína. Uma década depois, em 2015, confessou numa entrevista à revista Parade, em 2015, que foi a droga que a levou a Hollywood. “A verdade sobre como escapei do Kansas é esta: estava pedrada”, disse. “Estava totalmente drogada com cocaína, entrei no carro e fui para a Califórnia”, acrescentou.

Nas páginas do livro, a atriz explica que ficou viciada no “excelente pó” quando se envolveu com Cowboy Carl, ex-anmorado que chegou a pedi-la em casamento. Kirstie Alley atravessava um mau momento precisamente devido ao fim do casamento com o primeiro marido, Bob Alley. O divórcio aconteceu em 1976, ano em que conheceu Carl e seu “pó mágico”.  A atriz conseguiu precisou de três anos para combater o vício, revelou num tweet em 2019, 40 anos depois.

A relação complicada com o corpo

Vista por todos como uma sex symbol dos anos 80 e 90, Kristie nunca teve de encarar o espelho de uma forma negativa até 2004. Mas antes de poder reparar no quanto engordou, os tabloides fizeram-no por si.

Numa entrevista com Wendy Williams, Kirstie Alley revelou que sempre adorou comer, sobretudo alimentos pouco saudáveis, tais como cheeseburgers, tortas e brownies. No entanto, até aos 52 anos, a atriz nunca engordou. Mas depois de ter atingido a menopausa precoce, começou a ganhar peso.

A menopausa é uma altura de transição, que acontece entre os 45 e 55 anos, e faz com que o organismo sofra muitas mudanças, em várias esferas: “metabólica, fisiológica e hormonal”. Além do metabolismo lento, “o perfil lipídico é alterado, podendo levar ao aumento do peso e à hipertensão” e a produção de estrogénio também começa. Daqui surgem os calores, a falta de apetite sexual, as alterações de humor, o aumento de peso e inchaço.

A oscilação de peso

A temida menopausa foi o bode expiatório da atriz. Porém, os maus hábitos alimentares associados ao antigo consumo de drogas, pode não ter ajudado. Alley não baixou os braços e procurou ajuda. Durante 2005 e 2008 a atriz trabalhou com o conhecido programa de perda de peso de Jenny Craig e conseguiu perder cerca de 35 quilos, voltando assim à sua forma. Fez uma reeducação alimentar e começou a praticar exercício físico e as mudanças foram visíveis. Kirstie apareceu num dos programas de Oprah Winfrey em biquíni e quem lá estava garante que a atriz fez subir a temperatura de estúdio.

A estrela de “Star Trek II: A Ilha de Khan” protagonizou uma série de televisão que estreou em abril de 2005, chamada “Fat Actress”, baseada na luta para manter a sua posição na indústria de Hollywood enquanto vivia num mundo que parecia preferir um certo tipo de corpo. “Penso que as mulheres de todo o país se identificarão com a minha história”, disse a co-criadora Brenda Hampton em 2004. O espetáculo não foi renovado após a sua primeira temporada. No entanto, isso não a impediu de informar os seus fãs sobre as lutas que enfrentou na sua vida ao publicar vários livros como “How To Lose Your Ass and Regain Your Life: Confissões relutantes de uma Estrela de Rabo Grande”.

Em 2011, Kirstie Alley lançou os seus produtos de emagrecimento e fez parte de uma das edições do programa “Dancing With The Stars”. Muitos acreditam que a atriz perdeu o peso ao dançar cinco horas por dia enquanto consumia apenas 1200 calorias diárias. Mas os especialistas da “Shape Magazine” previram que, uma vez perdida a sua motivação para exibir o seu corpo em programas de televisão, a atriz recuperaria o peso. Infelizmente, tinham razão.

O problema da fome emocional

Depois da sua curta participação no programa de dança altura a atriz desenvolveu uma compulsão alimentar e passou a comer ainda mais do que fazia antes.

A fome emocional é uma das maiores inimigas de um regime alimentar saudável, e sobretudo, de quem está num processo de perda de peso. Quantos de nós já demos connosco a tentar esquecer um desgosto amoroso ou um problema no trabalho com ajuda de balde de gelado com pepitas de chocolate, num pacote de bolachas ou num bolo carregado de creme? Neste momentos não sentimos propriamente fome, mas uma vontade descontrolada de compensar estas emoções menos boas.

Em 2015, Kirstie Alley decidiu, novamente, que estava na altura de mudar e voltou a fazer o programa Jenny Craig. Contudo, desta vez foi motivada apenas por manter um estilo de vida saudável. O resultado ficou à vista: a artista perdeu uns notáveis 50 quilos e ficou deslumbrante.

Durante esse período a atriz praticava desporto três vezes por semana, mas nunca adorou o ginásio. “Aborrece-me”, explicou na altura a vários meios de comunicação Por isso optava por fazer coisas mais divertidas como uma aula de dança ou ioga”. A par desta mudança optou também por fazer jejum intermitente e o seu dia alimentar terminava por volta das 19 horas.

A viagem de perda de peso da atriz norte-americana teve a sua quota parte de altos e baixos. No entanto, o que faz com que a sua perda de peso de 50 quilos fosse um feito tão espantoso é que o fez aos 60 anos de idade. Mas os danos de uma vida ligada aos maus hábitos podem ter ficado para sempre. O consumo de carnes e alimentos processados, como Kirstie Alley adorava, são considerados comportamentos de riscos para desenvolver o cancro do cólon, a doença que vitimou a atriz.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT