Ginásios e outdoor

PrettyUp: a app que tira autenticidade aos corpos e que está a gerar polémica

Aplicação permite editar fotografias e vídeos, o que leva a uma distorção das imagens reais e, sobretudo, dos corpos.
É assustador

O tema da edição de imagens e da distorção que as redes sociais fazem da realidade não é novidade. Desde truques de roupa ou postura para parecer mais magro até aos fracassos de edição protagonizados por algumas celebridades onde é possível ver armários tortos ou ruas em ziguezague, está claro que nem tudo o que aparece no feed é verdadeiro.

Há já vários anos que muitas têm sido as vozes de pessoas influentes que se têm levantado para puxar o assunto para a atualidade. Uma das mais recentes foi até a modelo portuguesa Sara Sampaio, que num pequeno vídeo demonstra como um mesmo corpo pode ter uma aparência mais magra ou mais gorda conforme a postura ou o ângulo em que é captado.

Tudo isto surge numa altura em que de um lado temos a cultura da beleza pela magreza ou o objetivo de atingir determinados padrões de peso e medidas corporais. Para atingir isso há quem não olhe a meios e recorra à edição de imagem — sobretudo quando o pretendido é divulgá-la através das redes sociais — ou até, em casos mais extremos, à cirurgia plástica. Do outro lado da barricada surgem os defensores da diversidade de corpos e de que cada um deve aceitar o seu tal como é, tanto com uns quilinhos a mais como a menos, com cicatrizes ou estrias.

Dentro de toda esta conversa que gera sempre alguma polémica, a influencer Danae Mercer, que vive no Dubai e foca parte do seu trabalho em demonstrar como as redes sociais e as fotografias que aí vemos podem ser enganadoras, partilhou há algumas semanas um vídeo onde mostrava como se sentia horrorizada ao descobrir a PrettyUp app, uma aplicação que permite editar corpos não só em fotografias como também em vídeos. Tudo isto de forma bastante realista e aparentemente natural.

Desde aí o vídeo tem mais de 60 mil gostos e perto de dois mil comentários. Tanto a instagramer como os seus seguidores comentam a facilidade com que num vídeo podem tornar a cintura mais estreita, alongar as pernas ou ir até detalhes como modificar o formato das sobrancelhas, do nariz ou da mandíbula.

A experiência

Para perceber melhor do que se trata e se efetivamente é tão simples como se tem dito, decidimos experimentar esta aplicação. O processo é muito simples, está disponível para iOS e Android e pode ser descarregada gratuitamente, embora haja várias funcionalidades mais detalhadas que só estão abertas para quem paga pela versão pro.

Numa rápida visita pela app deu para entender que todo o processo é muito simples e intuitivo e que só é preciso dar permissão para aceder às nossas fotografias e vídeos e começar a editar. Se na parte das imagens estáticas não são notórias grandes diferenças para outros programas de edição já muito conhecidos, a parte dos vídeos é um pouco mais assustadora.

Como Danae alerta, bastam alguns cliques para as alterações serem aplicadas a toda a sequência de vídeo de forma bastante realista. Embora seja possível chegar a resultados muito exagerados e que deformam totalmente a figura, com ligeiros retoques é possível ganhar uns dez centímetros e perder cinco quilos sem que se note que é falso. Não diga a ninguém, mas funcionou com várias imagens de modelos e não só.

Os resultados podem ser mais satisfatórios quanto mais liso for o fundo. Isto quer dizer que em imagens ou vídeos cujo segundo plano tem muita informação — ruas, casas ou vegetação, por exemplo — vai ser notória a deformação se for um pouco mais além. No entanto, se o fundo for completamente liso como aqueles que se vê em sessões de moda ou uma simples parede de uma só cor, funciona muito melhor.

De facto, apesar de a aplicação funcionar bem quanto mais minucioso se quiser ser — ou mais tempo perder à volta da imagem ou vídeo —, a sua utilização não parece ser assim tão recomendável, uma vez que propaga ideias distorcidas da realidade. Com isto fica também o reforço do alerta para o facto de nem tudo o que se vê nas redes sociais ser verdadeiro.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT