Ginásios e outdoor

Modelo da adidas criticado por ser desconfortável. “Requer sacrifício”, diz a marca

De celebridades às bloggers de moda, todas querem este modelo da adidas. Já foram vendidos 35 milhões de exemplares.
Um modelo icónico que bate recordes de vendas.

O nome remete para o calor, mas foram pensadas para o frio. Ao contrário do que muitos pensam, as Samba da adidas não foram criadas para o Campeonato do Mundo de futebol que decorreu no Brasil entre 24 junho e 16 de julho de 1950. E também não foram inspiradas no famoso estilo musical brasileiro.

Desenhadas há mais de seis décadas pelo fundador da adidas, Adolph “Adi” Dassler, foram as primeiras sapatilhas a integrar o vasto catálogo etiqueta desportiva criada em 1949. E são também um dos bestsellers da marca — já foram vendidos mais de 35 milhões de pares, um volume de vendas apenas ultrapassado pelo das Stan Smith (outro dos modelos icónicos da insígnia germânica).

O modelo emergiu efetivamente nos anos 50, mas num jogo de futebol na Alemanha. Foi desenvolvido a pensar nos jogadores que praticavam a modalidade no inverno. “O seu desempenho excecional em campos gelados valeu-lhe o apelido ‘Samba’”, lê-se na página norte-americana da marca.

A sola inclui três ventosas desenhadas para maximizar a aderência aos campos gelados e escorregadios. Com o peso aplicado a cada passada, o ar nos orifícios escapa criando vácuo. O efeito de sucção que impede o deslizamento também se adapta na perfeição aos campos de futsal.

Desde então, o modelo evoluiu, mantendo sempre o estilo clássico e retro que o caracteriza. Nunca perdeu as características técnicas singulares. Inicialmente feitas em couro e camurça, hoje são produzidas em materiais sintéticos e veganos.

Sem nunca terem passado verdadeiramente de moda, as Samba ganharam uma nova força de 2021 em diante. As sapatilhas assumidamente retro têm sido descobertas pelas novas gerações e voltaram a bater recordes de vendas. Desta vez, com a preciosa ajuda das redes sociais e das inúmeras figuras públicas que as adotaram como modelo de eleição.

A versão atual.

Bella Hadid, Kendall Jenner, Beyoncé e Frank Ocean são apenas algumas das celebridades que têm surgido repetidamente nos feeds com umas nos pés. Entretanto, o fenómeno cresceu de forma exponencial e atualmente é quase impossível sair à rua sem ver alguém a usar o modelo.

Contudo, a tendência pode estar prestes a passar de hype a brega. E o responsável poderá ser um insuspeito devotodas icónicas sapatilhas— o primeiro-ministro britânico. A 2 de abril, Rishi Sunak usou umas Samba durante uma entrevista gravada em Downing Street. O objetivo era promover as políticas tributárias do seu executivo, mas o look acabou por se tornar o principal atrativo da conversa.

Os Sambas da discórdia.

Sunak optou por um par branco com riscas azul-marinho, combinado com umas calças justas e uma camisa branca sob medida. Ouça com atenção e poderá ouvir o toque de finados do modelo mais cobiçado do momento”, anunciou o crítico Michael Hogan no “The Guardian”.

Apesar de “serem como ratos, uma vez que em Londres, nunca se está a mais de dois metros de distância de um par de Sambas”, descreve, citando o “Evening Standard”, podem desaparecer de um dia para o outro. Afinal, “nada mata a beleza percebida de um modelo como ver um político amplamente criticado a usá-lo.

A acesa discussão espoletada pelas imagens de Rishi Sunak com as sapatilhas levou mesmo o primeiro-ministro britânico a pedir desculpas a todos os fãs dos Samba. Muitos acusaram-no de arruinar a sua credibilidade ao ser fotografado com as sapatilhas da moda. Sunak justificou-se afirmando que usa o modelo “há muitos anos” e é um “devoto de longa data” da marca.

Muito sucesso, pouco conforto

A fama significou milhões de novos fãs e, como não podia deixar de ser, muitos críticos. Uma das vozes mais audíveis a desaconselhar a compra do modelo foi a da estilista Kenzie Welch. Em março, a também consultora de moda norte–americana que soma 328 mil seguidores no Instagram e mais de 700 mil no TikTok partilhou nesta última rede social uma “avaliação honesta” do modelo.

Welch comprou dois pares de sapatilhas Samba, mas arrependeu-se. São demasiado estreitas para serem confortáveis e, após um ano de utilização, continuam a causar-lhe bolhas nos pés. A solução? Optar por comprar umas Gazelle, que considera muito mais confortáveis.

Os comentários de seguidores com a mesma opinião não tardaram a multiplicar-se, bem como as propostas alternativas. Muitos aconselham a compra do modelo num tamanho acima ou mesmo na versão masculina, mais larga que a feminina. Seja como for, um dos problemas irá persistir: as Samba custam a quebrar, ou seja, a moldarem-se ao pé.

@stylingwithkenzie

the adidas gazelle’s are WAY MORE comfortable!!! 👏 #fashion #shoes #shopping #style #fashiontiktok #styletiktok #styletips #shoppingtips #affordablestyle #affordablefashion #sneakers #adidassamba

♬ original sound – stylingwithkenzie

O debate entre os fãs e detratores do modelo continua acesso e atingiu um novo pico há duas semanas. Após milhares de nomeações nas caixas de comentários, a marca ter-se-á finalmente pronunciado sobre o assunto. E a resposta ficou muito aquém das expectativas.

Há duas semanas, Diana Mengyan, uma criadora de conteúdos com mais de 1,4 milhões seguidores no TikTok, publicou um vídeo onde sublinha o quão desconfortáveis são as sapatilhas. “Dão-me cabo dos calcanhares”, frisa. “São super fofas, são lindas — mas não são confortáveis. É uma compra da qual me arrependo imenso, sobretudo porque comprei dois pares.”

Mais uma vez, muitos subscreveram o lamento de Mengyan reconhecendo que enfrentam o mesmo problema. Ao contrário do esperado, a adidas respondeu à publicação. O alegado comentário da marca — entretanto retirado — afirmava “gotta sacrifice for the look”, qualquer coisa como “é um look que requer sacrifício”.

Tal como aconteceu após a publicação de Welch, muitos partilharam exemplos de como resolver o problema: de aquecer a zona do calcanhar com um secador para a tornar mais maleável ao recurso a umas palmilhas. Outros tantos frisaram que o aspeto não deveria ser o principal critério de escolha, lembrando que se trata de um modelo pensado para jogar futebol em pisos escorregadios.

Carregue na galeria para ver como Bella Hadid, Kendall Jenner e outras celebridades conjugam as famosas Samba.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT