Saúde

“É como um milagre de Natal.” Robbie Williams rendido a medicamento de perda de peso

O cantor revelou que perdeu 11 quilos com a ajuda do Ozempic, conhecido como o "atalho" do emagrecimento.
Vai estrear um documentário sobre o cantor.

A perda de peso de Robbie Williams não tem passado despercebida a quem o segue nas redes sociais. O cantor já emagreceu 11 quilos, recorrendo a um medicamento que é especialmente popular em Portugal. “Estou a tomar Ozempic. Bem, algo parecido com Ozempic”, disse numa entrevista ao “Times”.

O artista já tinha revelado que tem dificuldade em comer de forma saudável e de deixar o açúcar de lado. Esta foi então a estratégia que encontrou para conseguir diminuir o apetite e perder os quilos que sentia que estavam a mais.  “É como um milagre de Natal”, acrescentou sobre o processo.

No entanto, não foi só a estética que o levou a correr aos injetáveis. “Eu preciso disso, do ponto de vista médico. Fui diagnosticado com auto aversão tipo 2. É chocantemente catastrófico para a minha saúde mental”, continuou. Esta doença caracteriza-se pela constante crença e sentimento de inutilidade, inadequação, falha e incompetência, questões que afetam muito a saúde mental.

O processo de perda de peso já terá começado há alguns meses, motivado pelo diagnóstico de dismorfia corporal, um transtorno psicológico em que as pessoas ficam obcecadas pelo seu corpo. “Além de ser dismórfico, às vezes posso ter mais de 18 quilos de excesso de peso. Então podem imaginar o que a minha mente vê”, escreveu. “Atualmente estou magro. Mas a minha mente está a pensar: ‘Ótimo Rob, conseguiste ficar magro e agora és velho. Parabéns’”, continuou, acrescentando que “a luta é real, a tristeza chocante” e que teve este transtorno toda a sua vida.

O compositor britânico fala abertamente sobre os problemas de saúde mental e atribui a culpa à fama. “E se não têm [problemas] no início, têm no fim. Ninguém tem um passe livre no jogo da fama extrema. Ninguém sai do outro lado feliz e mentalmente bem”.

A luta contra os problemas relacionados com a saúde mental arrastam-se há vários anos. Em 2004, o ex-membro dos Take That admitiu que tomava anti-depressivos. Um tema que provavelmente fará parte no novo documentário sobre os mais de 30 anos de carreira da estrela britânica

A série documental produzida pela Netflix terá direito a quarto partes e deverá chegar à plataforma até ao final do ano. Segundo o comunicado de imprensa, a narrativa irá mergulhar nas “batalhas com os vícios e o caminho da recuperação”, bem como as más memórias dos Take That e a sua eventual reconciliação.

O medicamento Ozempic tornou-se conhecido nas redes sociais pela eficácia e rapidez — é mesmo descrito como “o atalho para quem quer emagrecer”. Tem o semaglutido como substância ativa e consegue mimetizar as hormonas que regulam a sensação de saciedade, podendo promover perdas de peso de cerca de 15 por cento.

Em Portugal, é utilizado para combater uma das condições mais prevalentes no País: a diabetes tipo 2. O fármaco é injetável (e vendido sob a forma de caneta) e ajuda a desacelerar o processo de progressão da doença. Além disso, tem efeito na redução do apetite o que, como consequência, facilita a perda de peso.

Aproveite e leia a história de dois portugueses que usam os injetáveis e, tal como o cantor britânico, obtiveram resultados “motivadores”.

 

 

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT