Saúde

Estudo avança que grávidas com Covid-19 têm mais problemas

Obesidade, problemas com a placenta e o pós-parto e maior necessidade de cesariana têm sido frequentes.
Grávidas infetadas ficam mais vulneráveis.

Os médicos e cientistas ainda não conseguiram descobrir todas as consequências da Covid-19 para a saúde, no entanto, há áreas que poderão ser mais afetadas e para as quais começam a surgir alguns alertas. As grávidas infetadas com o novo coronavírus são um dos grupos de risco e estarão sujeitas a mais complicações durante e após a gravidez, segundo os especialistas.

De acordo com um estudo apresentado no Congresso Mundial de Saúde Pulmonar, citado pelo “El País”, há alguns dados que podem ser já avançados com alguma certeza. Há relação entre as grávidas infetadas com SARS-CoV-2 e um aumento de nascimentos prematuros bem como de cesarianas e de tromboses placentárias.

Entre as várias complicações que podem surgir ao longo de toda a gravidez e mesmo no pós-parto, fatores de risco como a obesidade da grávida podem influenciar a saúde da mãe e do bebé, pode exemplo.

O estudo em causa, que vai ser apresentado no próximo sábado, 24 de outubro, na edição online do congresso, foi feito em três hospitais de Nova Iorque e incluiu 675 mulheres. Destas, 70 deram positivo para SARS-CoV-2, sendo que a maioria estava assintomática. Entre as infetadas — com e sem sintomas — 46 por cento tiveram que recorrer a cesariana, contra apenas 30 por cento das que não estavam infetadas. Além disso, os investigadores perceberam que o período pós-parto pode ser particularmente complicado para as mulheres que tenham sido infetadas.

Entre as outras complicações mais comuns registadas nestas grávidas, é importante realçar os casos de má perfusão vascular, que indicam coágulos na placenta. Isto, em casos mais graves, pode levar até à morte do feto. Ainda assim, como explica Malavika Prabhu, principal autora do estudo, “é necessária mais investigação”.

No mesmo congresso vai ser apresentado ainda um outro estudo sobre a obesidade, uma vez que esta doença leva muitas vezes a que as grávidas estejam mais vulneráveis a infeções virais como a gripe. Neste caso, o excesso de tecido adiposo pode levar o corpo a ter uma resposta mais lenta a infeções e até afetar a mecânica pulmonar — um quadro propício para que as grávidas se tornem mais facilmente sintomáticas.

Embora os médicos e investigadores ainda não tenham muitas certezas sobre todas as implicações da Covid-19, estes são alguns dos dados mais recentes que podem indicar as consequências da infeção pelo vírus, especialmente em mulheres grávidas.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT