Saúde

Filho de Pedro Chagas Freitas já recebeu um fígado novo

A cirurgia foi longa e Benjamim estará agora a recuperar, para descobrir a sua nova condição.
O miúdo tem seis anos e sofre de uma doença rara.

A luta de Benjamim, o filho de Pedro Chagas Freitas, tem comovido o País. Após vários dias internado e com demasiados percalços à mistura, o rapaz de seis anos foi operado para receber um novo fígado, que lhe poderá salvar a vida.

Benjamim sofre de uma doença rara e sem cura e precisava de um transplante de fígado de um dador vivo. Após algumas semanas de espera por alguém compatível, o órgão foi finalmente encontrado e o rapaz pôde ser submetido a uma cirurgia. 

“A pessoa maravilhosa que está na imagem já tem um fígado novo. Foram 12 horas de cirurgia, de ansiedade, de uma espera que pareceu tortura. Correu tudo bem”, escreveu Pedro Chagas Freitas nas redes sociais, num texto que está acompanhado por uma fotografia de Benjamim.

O escritor aproveitou ainda para agradecer à “maravilhosa equipa” do Hospital Pediátrico de Coimbra, liderada por Catarina Cunha, afirmando que “são os craques disto tudo”. Aproveitou para deixar um agradecimento a todos os voluntários que quiseram tornar-se dadores e que “que criaram uma corrente imparável de amor, de força, de humanidade”.

A cirurgia foi longa, mas Benjamim está bem e “a adaptar-se a um novo Eu”. Porém, Pedro Chagas Freitas sublinha que a “esta batalha está ganha” e pede para que continuem ao seu lado. “Agora, começa uma nova etapa, uma nova batalha, também complexa, cheia de dúvidas”.

Benjamim foi diagnosticado aos três meses com deficiência de alfa-1 antitripsina, uma doença genética hereditária que pode levar ao desenvolvimento de doenças pulmonares e/ou hepáticas. Esta é também a causa genética mais comum de doença hepática em miúdos.

Segundo o escritor, a doença tirou qualidade de vida ao filho e “interrompeu-lhe a alegria tantas vezes”. Chagas Freitas sublinha que Benjamim “nunca terá estado um mês seguido livre do que ela lhe traz”.

Após vários exames e tratamentos, a única hipótese viável era o transplante. Como os pais eram incompatíveis, fizeram um apelo nas redes sociais para conseguir acelerar o processo de encontrar um dador vivo. Esta era a única solução para quem o menino “pudesse ter a vida que merece, e não esta aflição ao virar de cada dia”.

 
 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Pedro Chagas Freitas (@pedrochagasfreitas)

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT