Saúde

O curioso método que promete ajudar a perder barriga só com a respiração

A ideia é simples mas tem muito que se lhe diga. A NiT falou com a PT e especialista no tema Eunice Moura — e explica-lhe tudo.
barriga negativa

Apenas respirar não vai eliminar toda a gordura abdominal acumulada, ou estaríamos todos em perfeita forma física visto que inspiramos e expiramos cerca de 23 mil vezes por dia. Mas se o seu objetivo no ginásio é ter uma barriga lisa, há um método que promete resultados fantásticos para a redução da cintura — os hipopressivos.

A NiT falou com Eunice Moura, personal trainer e formadora de Low Pressure Fitness na Bwizer e autora do livro “Barriga Lisa”, que explica que o sistema de treino Low Pressure Fitness, que inclui a técnica hipopressiva, tem vários benefícios.

Contribui para “uma melhor consciência corporal, estabilidade da coluna e pélvis, prevenção das disfunções do pavimento pélvico e complemento ao tratamento realizado pela fisioterapia de reabilitação pélvica, melhoria da função pulmonar e eficiência respiratória, tonificação da musculatura da parede ântero-lateral do abdómen (redução do perímetro da cintura) e uma gestão mais eficaz dos aumentos de pressão intra-abdominal”, explica. 

Mas o que é a pressão intra-abdominal? Eunice responde que esta pressão “está relacionada com o estado dos vários músculos. O importante a perceber é que estes exercícios hipopressivos ajudam a reequilibrar o excesso de tensão de alguns músculos e a potencializar a resistência dos músculos da região abdominal”.

No entanto, apesar de este treino ajudar a reduzir o perímetro abdominal (um passo decisivo para a tal barriga lisa), não substitui os exercícios abdominais. Assim sendo, o treino hipopressivo não deve substituir mas antes completar o seu trino habitual. “Os exercícios hipopressivos são mais um complemento preventivo focado na tonificação abdominal em vez da diminuição da massa gorda localizada. O que acontece é a tonificação da musculatura lombo-pélvica associada à criação de maior espaço intra-abdominal”, explica a personal treinar.

Em apenas duas sessões semanais, consegue sentir benefícios na reeducação postural, prevenção de patologias relacionadas com discussões do pavimento pélvico e na tonificação dos músculos da parede enterro-lateral e parede inferior do abdómen, reduzindo o período da cintura. 

Quanto à frequência do treino, e para potencializar os resultados, “treine entre duas vezes por semana de 20 a 60 minutos numa fase inicial do primeiro mês. No segundo mês, treine entre três a quatro vezes por semana com intervalo de dois dias. A fase de manutenção começa no terceiro mês, quando é aconselhável realizar os exercícios hipopressivos 20 minutos por semana antes do treino habitual”, aconselha a formadora da Bwizer.

Qualquer pessoa pode praticar, desde crianças a pessoas com idade mais avançada, atletas, bailarinos, cantores, e é fundamental a compreensão de que é um sistema de treino para a vida e não apenas para uma fase específica, uma vez que tem benefícios que são importantes para sempre”, afirma Eunice, mas insiste que a inclusão destes exercícios no seu plano de treino deve ter sempre a aprovação do seu médico.

Mas quanto tempo tenho de esperar para ver resultados? “Depende de caso para caso mas em seis a oito semanas verifica-se já uma diminuição do perímetro da cintura entre dois a 10 centímetros e uma melhor coativação. Isto é, a transmissão de força às extremidades melhora e observamos que uma pessoa consegue levantar mais peso, por exemplo”.

Para começar o seu treino há alguns cuidados a ter, como esvaziar a bexiga, não treinar a seguir às refeições, nem antes de dormir, uma vez que este treino aumenta o metabolismo. 

Para realizar este treino apenas necessita de saber duas técnicas de respiração — nós avisámos que iria ficar com a barriga lisa a respirar — a apneia respiratória e a abertura costal. “A primeira significa expirar profundamente e, no fim, ficar alguns segundos na ausência total de oxigénio. Já uma abertura costal simula uma inspiração falsa. Isto é, após realizar uma expiração profunda e ficar na ausência de oxigénio só tem de simular uma inspiração para que as costelas se abram”, explica Eunice Moura.

Mas para ter a certeza de que está a fazer o treino de hipopressivos corretamente, o melhor será recorrer à ajuda de um personal trainer, de preferência formado em Low Pressure Fitness. E encontrar um pode nem ser tão difícil como está à espera porque estes treinos estão a ser cada vez procurados por desportistas e, nesse sentido, há cada vez mais profissionais à procura também de desenvolver este método.

Já treino a respiração mas não quer ficar por aqui? Pode experimentar exercícios que trabalham os abdominais como complemento. Temos até uma proposta curiosa: uma rotina onde todos exercícios são para fazer em pé (e sem necessidade de qualquer equipamento). O desafio é de Armindo Maria, de 52 anos, PT e técnico de fisioterapia ligado ao grupo Fittejo. Carregue na galeria para os descobrir.

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

Novos talentos

AGENDA NiT