Saúde

Lily Collins odiava calçar os incríveis e vertiginosos sapatos de “Emily in Paris”

A atriz revelou que tinha de consultar um podologista regularmente. A especialista Joana Rodrigues explica porquê.
A personagem utilizava sempre estes modelos.

Ninguém fica indiferente à vasta — e espectacular — coleção de sapatos da protagonista de “Emily in Paris”. Os sapatos, em especial os de salto alto, são consideradas verdadeiras obras de arte para muitas mulheres. Embora Emily nunca tenha falado sobre o que sente em relação ao que calça — como Carrie Bradshaw o fez em “O Sexo e a cidade”, quando descreveu o seu tipo de sapatos com a frase “quanto mais altos, melhor” — a atriz que lhe dá vida já abordou o assunto.

Lily Collins odiava os modelos vertiginosos. A estrela da série de sucesso da Netflix marcou presença esta semana no programa “The Tonight Show Starring” de Jimmy Fallon e lamentou ter tido de trocar conforto pelo estilo enquanto filmava. A atriz explicou que os saltos altos lhe causavam imensas dores nos pés, o que a levou a recorrer a um especialista.

Emily in Paris” foca-se nas peripécias da protagonista, uma marketeer, que se muda de Chicago para Paris para ocupar o destinado à sua chefe — que recusa mudança porque descobre estar grávida. A personagem junta-se à empresa de relações públicas, Savoir, e tenta conciliar as suas aspirações de carreira com a sua vida amorosa, enquanto tenta adaptar-se a uma nova cidade e a um novo país.

Na série destaca-se o estilo da personagem de Lily Collins, com os seus coordenados icónicos e sapatos maravilhosos. Emily passeia os seus outfits pelas ruas de Paris tanto durante os seus dias de trabalho como nos seus tempos livres. E, segundo, revelou a atriz, calçar os vertiginosos saltos durante as longas horas que duravam as gravações foi uma das coisas mais dolorosas que fez na carreira. E teve impacto na sua saúde.

Lily contou que sentia muitas dores nos pés por ter de andar com sapatos com uma altura considerável todos os dias, sobretudo nas cenas nos exteriores, gravadas em ruas acentuadas. As dores eram de tal forma insuportáveis que tinha de ir a consultas semanais com um podólogo. A atriz revelou ainda que usava palmilhas adaptadas a cada par de sapatos que a sua personagem utilizava, para tentar aliviar a dores durante as filmagens.

A podologista Joana Rodrigues não considera as afirmações de Collins exageradas, uma vez que usar estes modelos durante muito tempo “pode levar a deformações graves do pé”.  Enquanto contava ao anfitrião do programa, Jimmy Fallon, o quanto gostava que Emily se mudasse para outras cidades do mundo, a atriz acrescentou entre risos que só o faria se usasse de a personagem passasse a usar sapatos rasos.

A personagem anda sempre de saltos altos.

Usar saltos altos durante longos períodos, além do desconforto, tem consequências mais graves. “Neste tipo de sapatos, mais estreitos e mais rijos, os pés ficam mais apertados. A altura dos tacões transferem o peso do corpo para a parte da frente dos pés. Os dedos ficam encolhidos e ficam pressinados durante muito tempo”, explica Joana Rodrigues. Isto pode causar problemas nas unhas, nos calcanhares e no arco do pé, bem como deformações mais graves. Os joanetes e os dedos em garra são as mais graves e dolorosas. Estas alterações na morfologia dos pés, muitas vezes, “só são corrigidas com cirurgia”, revela a podologista.

Quando os joanetes — a consequência mais comum — ainda estão em fase de formação, o aconselhado é não usar calçado desconfortável e “podemos tratar com ortose digital de silicone para tentar que o dedo volte à sua forma mais natural”, afirma.

No caso das inflamações dérmicas nos pés, estas podem surgira na forma de calosidades, bolhas, feridas e alterações nas unhas, como “descolamento, engrossamento, calosidade no leito (por baixo da unha) — o que abre portas ao surgimento de fungos”, explica a podologista. 

Lily Collins terminou a conversa a afirmar, em tom de brincadeira, que filmaria as próximas temporadas da série como “Emily in flats” — ou seja Emily em sapatos rasos. Porém, a especialista em podologia revela “que não é muito benéfico usar sapatos completamente rasos. O ideal são modelos com 1 a 2 centímetros de tacão para que a postura do pé e a distribuição do peso do corpo seja a mais correta”.

Se é fã de saltos altos, dentros das inúmeras opções por onde escolher, Joana Rodrigues aconselha “os que sejam um pouco compensados e que não sejam apertados, de forma a que os dedos não estejam encavalitados ou muito juntos”. Existem também proteções que amortecem estas zonas de maior fricção e que tornam o sapato mais confortável que pode e deve usar. A podologista alerta ainda para a importância de hidratar os pés para tornar o uso dos sapatos mais confortável. “A pele hidratada é mais elástica e tem menos probabilidade de criar calosidades”, explica.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT