Saúde

Macau pede à população para verificar canalizações para reduzir riscos de Covid-19

Depois das encomendas do correio, há a possibilidade de o vírus poder ser transmitido através de vapores de água dos esgotos.
Macau continua com tolerância zero.

Oficialmente, Macau registou apenas 79 casos de Covid-19 desde o início da pandemia e tem seguido uma política bastante restrita e controladora, impondo quarentenas de regresso até 35 dias num quarto de hotel. Quem teve Covid-19 nos últimos dois meses não está autorizado a entrar na cidade chinesa. O último caso confirmado de infeção foi em setembro de 2021.

Segundo a Lusa, as autoridades de Macau já chegaram a pedir à população que verifiquem as encomendas enviadas pelo correio e até já impuseram a testagem de hamsters em lojas. No entanto, desta vez, o pedido é para que verifiquem as canalizações. 

“O Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus apela à população que de modo a evitar e reduzir o risco de transmissão vertical da Covid-19 dentro dos edifícios, devem verificar as canalizações em particular os tubos em curva ‘U’ instalados nos drenos de água e de esgotos, nos edifícios, colocando água, de modo que evite a circulação de ar ou vapores de água no interior das divisões dos edifícios”, lê-se num comunicado enviado à Lusa.

Depois de Hong Kong ter decretado o abate de cerca de dois mil hamsters infetados com o vírus, Macau ordenou a testagem de todos os pequenos roedores nas lojas da cidade. Os animais tinham estado em contacto com um funcionário infetado.

O governo pediu ainda que a população diminua as encomendas recebidas pelo correio, uma vez que os mais recentes casos de infeção no país estavam relacionados com embalagens vindas do estrangeiro. Macau, tal como acontece na China, não contabiliza os infetados assintomáticos como casos efetivos de Covid-19.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT