Saúde

Mindfulness: a prática que ajuda os miúdos a lidar com o stress e ansiedade

Rute Agulhas, psicóloga clínica, dá exemplos de exercícios simples que pode fazer com o seu filho para o ajudar a relaxar.
O mindfulness pode ajudar as crianças em idade escolar.

Quantas vezes chegou a um sítio, depois de conduzir durante algum tempo e percebeu que não se lembra de pormenores da viagem? Não se recorda do trajeto, nem sequer de ter estado com as mãos no volante — quase como se tivesse ligado o piloto automático.

Atualmente, a falta de atenção no momento presente é algo constante na nossa rotina. Dificilmente estamos 100 por centro focamos no que estamos a fazer ou a ouvir. Os grandes culpados são os múltiplos estímulos com que nos deparamos no quotidiano e que nem sempre conseguimos ignorar ou filtrar. Esta incapacidade acaba por ter um impacto negativo na nossa capacidade de concentração a longo prazo.

Há, porém, uma prática já bastante divulgada que nos ajuda a concentrar e focar apenas no que está ao nosso redor: o mindfulness. A cantora Billie Eilish, por exemplo, é uma praticante assídua e revelou recentemente que esta prática lhe permitiu ultrapassar alguns traumas.

E, se é benéfica para os adultos, para os miúdos ainda pode trazer mais vantagens. “Falamos de exercícios que ajudam a focar a atenção e a concentração, fortalecem a memória, estimulam a criatividade e a capacidade de gestão emocional, facilitando o processo de autoconhecimento”, revela à NiT Rute Agulhas, psicóloga clínica e forense.

É natural que os miúdos, sobretudo entre as idades dos cinco e 12 anos, independentemente de onde ou como vivem, sintam ansiedade e dificuldades de concentração ou no controlo das emoções. A juntar a isso, o início das aulas pode ser um momento de grande stresse para os mais novos: horários diferentes, matérias desafiantes e rotinas preenchidas. Podem ficar tão sobrecarregados que se torna necessário encontrar formas de os ajudar a relaxar.

Cada vez mais pais — e, claro, especialistas da área — experimentam técnicas de mindfulness com os miúdos para reduzirem estes problemas. Provavelmente já terá ouvido falar neste termo. Por muito exótico que pareça, trata-se simplesmente de um treino mental para nos concentrarmos no presente, naquilo que nos rodeia naquele exato momento, e esquecermos tudo o resto.

“É uma prática muito útil em situações nas quais precisamos de estar mais atentos, como, ao aprender algo novo”, continua a psicóloga. O mindfulness pode ser praticado por miúdos a partir dos três anos e adultos, ajustando os exercícios em função da idade e maturidade. Além de contribuir para o foco, atenção e concentração, ajuda a reduzir o stress, aumenta a sensação de bem-estar, promove o processo de aprendizagem e ainda melhora as relações interpessoais.

Traz, portanto, vantagens ao nível físico, emocional e cognitivo. E se está a perguntar como pode ensinar esta prática ao seu filho, nós respondemos. É bastante simples e pode mesmo fazê-la com ele. E não, não tem de se sentar com as pernas cruzadas à chinês enquanto repete hummm. Seria bastante difícil manter um miúdo quieto por tanto tempo nessa posição.

Comecem por se colocar de pé, num ambiente tranquilo e silencioso, de olhos fechados. Diga-lhe para imaginar que a sua respiração são as ondas do mar e para se focar nesse som e ritmo. Descrevam, depois, esse cenário imaginado: “como é o mar?”, “as ondas vêm depressa ou devagar?”, “o mar está calmo ou agitado?”.

Caso prefiram algo mais mexido, podem sempre dançar durante um minuto ao som de uma música acelerada, de que ele goste. Logo a seguir, sentem-se numa cadeira, de olhos fechados e foquem-se no corpo. “Que alterações sentem?”, “e como se sentem à medida que o tempo passa e permanecem sentados?”, “o que mudou no corpo”? Incentive-o a falar sobre isso.

Antes do início das aulas, além destas práticas, é importante que “os pais comecem, de forma gradual, a regular os horários de sono e a alimentação dos miúdos”. De forma progressiva, deve voltar a estabelecer as rotinas e horários para que estejam já regulados quando a escola começar.

Não vale a pena preencher os horários deles com atividades que muitas vezes, nem lhes permitem terem tempo livre para brincar, descansar ou simplesmente não fazerem nada. É igualmente importante que os miúdos tenham “uma zona da casa onde possam estudar e fazer os trabalhos escolares, tranquilos e com poucos estímulos que os distraiam”, realça Rute Agulhas.

Claro que o mindfulness não pode ser tido como um remédio para todos os males do mundo, mas existem evidências de que oferece ferramentas para lidar com as diferentes adversidades que vão surgindo ao longo da vida. Num mundo que está 24 horas por dia acordado, esta prática torna-se essencial para ajudar a libertar sentimentos tóxicos, como a ansiedade, o stress e evitar estados depressivos.

Educar com mindfulness não significa que deixam de existir conflitos entre pais e filhos ou tensões entre os miúdos e a escola, no entanto, ajuda a compreender mais facilmente que cada conflito tem o seu papel e quais as aprendizagens a ele associadas.

Leia também o artigo da NiT para conhecer outras técnicas que podem deixar os miúdos mais concentrados e sobre como a prática de mindfulness ajudou Billie Eilish a lidar com o stress e a ansiedade.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT