Saúde

Já morreram mais de 1.300 bebés com Covid-19 no Brasil

Os especialistas associam o elevado número à falta de testagem e ao diagnóstico tardio.
É um dos países mais afetados pela pandemia.

Foi notícia no Brasil nos últimos dias e mereceu agora atenção internacional. O país, que é um dos mais afetados pela infeção por Covid-19, terá já registado cerca de duas mil mortes de crianças com menos de nove anos devido a esta doença.

Segundo a revista “Crescer“, da Globo, estima-se que este número inclua mais de 1.300 bebés, o que coloca o Brasil na lista de países com mais mortes de bebés no mundo. Os especialistas estão a justificar o elevado número de óbitos nestas idades com a falta de testagem e o diagnóstico tardio.

A “BBC“, que cita dados do ministério da Saúde do Brasil, diz que, entre fevereiro de 2020 e março de 2021 foram registados 852 óbitos associados à Covid-19 em crianças com menos de nove anos, incluindo 518 bebés. Contudo, estima-se que os números reais possam ser mais do dobro, devido à baixa taxa de testagem.

“É claro que quantos mais casos tivermos e, por consequência, quantos mais internamentos, maior será o número de óbitos em todas as faixas etárias, inclusive nas crianças”, diz à mesma publicação Renato Kfouri, presidente do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria.

O especialista diz também que se a pandemia estivesse mais controlada, esse cenário poderia, evidentemente, ser minimizado. Recorde-se de que o Brasil é o terceiro país do mundo com mais casos de infeção — até à data, são 13,6 milhões — e o segundo com mais vítimas mortais (mais de 361 mil).

Fátima Marinho, epidemiologista, falou também com a “BBC”, reforçando que o país tem um problema sério da deteção de casos. “Não temos testes suficientes para a população em geral, menos ainda para as crianças. Como há um atraso no diagnóstico, há um atraso no atendimento às crianças”, afirma, acrescentando que “quando uma criança chega ao hospital está já em estado grave e pode levar a complicações ou mesmo acabar por morrer”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT