Saúde

Não se deixe enganar: a bebida que promete emagrecer não é milagrosa

Há várias dietas que a incluem, e até quem diga que deve ser bebida em jejum. Faz parte da vida dos portugueses, mas será eficaz?
Será mesmo benéfico?

Já muito se ouviu e escreveu sobre o café. Que desperta e dá energia, nós já sabemos. Ultimamente têm surgido outras teorias ligadas aos seus benefícios. A mais comum é a de que emagrece. Se uns dizem que os quilos só desaparecem se tomar uma determinada quantidade desta bebida por dia, outros defendem que funciona apenas se levar umas gotas de sumo de limão ou se for tomado em jejum. Quais são, afinal, os seus verdadeiros benefícios? E será que é mesmo eficaz quando o tema é emagrecimento? A NiT foi tentar perceber.

Andreia Ferreira, nutricionista e coordenadora da unidade de nutrição do hospital dos Lusíadas, começa por nos dizer que “não há uma ligação direta entre os dois, pelo menos nenhum estudo científico a comprova a 100 por cento”. Porém, não desanime. “É verdade que acelera o metabolismo e, quando associado a outros fatores, pode resultar, sim”. Parece que, afinal, sempre há esperança.

Da Suécia ao Vietname, dos Estados Unidos ao Japão, o café é a bebida mais consumida no mundo, depois da água. E, por isso mesmo, é também uma das mais estudadas. E a maioria das investigações analisam as vantagens de bebermos café diariamente. São boas notícias para os portugueses, ou não fosse o consumo de café um dos hábitos sociais e culturais do nosso País.

Uma simples chávena oferece-nos mais do que apenas cafeína. “Tem antioxidantes, potássio, magnésio e cálcio.” Não é surpresa, portanto, que traga vários benefícios. “Melhora o estado de alerta e a memória, facilita a digestão, reduz o apetite e ainda é uma ótima fonte de antioxidantes”, assegura a nutricionista. Portanto, não há dúvida de que o consumo moderado de café traz benefícios para a saúde, sobretudo se for ingerido numa altura específica do dia. Mas já lá vamos.

Esta bebida também é conhecida por prevenir o aparecimento da doença de Alzheimer e demência, reduzir o risco de Parkinson, combater a depressão e diminuir o risco de alguns tipos de cancro, ainda que ainda esteja a ser estudado nestas áreas. Se precisasse de mais motivos para pedir uma bica ou cimbalino, um estudo publicado a 27 de setembro no “European Journal of Preventive Cardiology” revelou mais dois: beber duas a três chávenas por dia da maioria dos tipos de café pode protegê-lo de doenças cardiovasculares e de uma morte prematura.

Além disso, várias investigações indicaram que a cafeína pode aumentar o metabolismo entre três e 11 por cento e provocar maior queima de gordura. Inserida numa alimentação e estilo de vida equilibrados, pode ser inserida num plano de emagrecimento, contribuindo para uma dieta baixa em calorias. “É assim que facilita a perda de peso e gordura”, confirma. O segredo está em não divagar. Esqueça as bebidas de café mais in que tanto se têm vendido.

“Coisas com natas, leite condensado e açúcar, não entram na equação”. Andreia fala apenas do café expresso — bica se for do Norte. E como nada é tão linear como parece, também aqui há regras. “O consumo de dois a três cafés por dia, em pessoas saudáveis, pode ser vantajoso, sendo 400 miligramas por dia de cafeína a dose limite considerada segura. Este valor equivale a cinco cafés expresso por dia. Deve ter em conta que uma chávena de café expresso tem cerca de 80 miligramas”, explica. “Não mais”. Caso contrário, pode trazer efeitos malignos.

Se já está todo contente e com vontade de contar a novidade àquela amiga mais chata que reclama sempre que o vê tomar café, saiba que a sua ingestão não é recomendada para todos. “Pessoas hipertensas, sensíveis à cafeína, com problemas cardíacos, a tomar medicação e pessoas com anemia não devem seguir esta dieta”. O motivo prende-se com o facto de o café diminuir a absorção de ferro. Além disso, ele atua como um estimulante e pode ter um efeito diurético, o que pode provocar taquicardia, ansiedade, insónia, nervosismo e aumentar a pressão arterial.

Pronto, agora, sim, já pode celebrar. Só falta saber quais as melhores horas para ser tomado. Isto é, as alturas do dia nas quais a cafeína produz mais efeito no nosso organismo. E são elas das 9h30 às 11 horas e das 13 às 17 horas. Andreia Ferreira, destrói assim o mito de que beber café em jejum é a chave para ter um corpo perfeito. No entanto, não irá derreter milagrosamente a gordura da barriga.

Uma alimentação variada e com muitas opções saudáveis e um estilo de vida ativo são essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo e podem até resultar em perda de peso. Mas, cientificamente, a razão pela qual se perde peso depende sempre da ligação entre as calorias que ingerimos e a energia que gastamos.

Se não gosta café, há outras bebidas que pode incluir na dieta que têm efeitos semelhantes. Carregue na galeria e conheça sete chás bastante conhecidos por ajudarem a perder peso.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT