Saúde

O grande truque para Dick Van Dyke continuar a ser um miúdo aos 95 anos

Já lá vão sete décadas de carreira de um dos maiores ícones da televisão americana. Ele diz que está ansioso por chegar aos 100 anos.
Ansioso por chegar aos 100.

Quando alguém bate um daqueles recordes de cento e tal anos de vida, surge sempre a pergunta: qual o segredo da longevidade? Costumam aparecer respostas curiosas por parte dos centenários, mas nisto de envelhecer quer-se mais do que conquistar os três dígitos.

Que o diga Dick Van Dyke, ícone da Broadway e Hollywood, que aos 95 anos voltou a revelar a sua impressionante boa forma física. Parte da entrevista transmitida a 1 de junho nos EUA foi com ele no jardim de casa, rodeado de aparelhos de treino, onde o vemos a explicar, por entre abdominais, que há coisas que faz aos 95 anos que muitos amigos não são capazes. Não há uma ponta de arrogância na voz de Dick Van Dyke. Apenas aquele à vontade de quem continua igual a ele próprio.

Dyke foi uma das figuras homenageada este ano pelo Centro John F. Kennedy de Artes Cénicas. A homenagem era para ter acontecido ainda em 2020 mas a pandemia adiou-a. Em maio passado, integrou um leque de cinco homenageados que incluía o cantor country Garth Brooks, a atriz e coreógrafa Debbie Allen, Joan Baez, icónica voz da folk, e a violinista Midori. Todos eles com carreiras consagradas. Todos eles novatos quando comparados com o ator que já leva mais de sete décadas de carreira.

Nascido a 13 de dezembro de 1925, em West Plains, no Missouri, Dick Van Dyke começou a sua carreira nos palcos. É irmão do ator e comediante Jerry Van Dyke (falecido em 2018, aos 86 anos). Esteve casado de 1948 a 1984 com Margie Willett, com quem teve quatro filhos (Christian, Barry, Carrie e Stacy). E, desde 2012, que é casado com Arlene Silver, 46 anos mais nova.

Em 1961, Dick Van Dyke venceu um Tony por “Bye Bye Birdie”, musical de sucesso da Broadway inspirado na pausa na carreira que Elvis Presley teve de fazer, três anos antes, para cumprir o serviço militar obrigatório. A adaptação ao cinema, em 1963, foi uma estreia para Dyke.

No ano seguinte entraria no clássico musical “Mary Poppins”. Tudo isto numa altura em que o seu lado de comédia física já se notava na sitcom protagonizada pelo próprio e que fez história na TV norte-americana, “The Dick Van Dyke Show”. Foram 158 episódios, entre 1961 e 1966, que mereceram um total de 15 Emmy, incluindo de melhor ator para ele. Na verdade, ainda conquistou o Grammy (o que quer dizer que só lhe faltou mesmo o Óscar para fechar o quarteto).

Foi ator, apresentador, comediante e vincou a sua marca própria, a cantar e a dançar. Em 1974, num tempo em que tal ainda era raro no mundo do showbiz, o ator revelou ao público norte-americano que era um alcoólico em recuperação. Uma contrastante importante com um ator conhecido pelo seu eterno ar sorridente. E algo que o tornou ainda mais humano junto do grande público.

Aos 90 anos, na altura em que apresentava “Keep Moving and Other Tips and Truths About Aging”, publicou um livro que abordava a sua forma muito especial de envelhecimento saudável. Agora com 95 anos, o ator admite: “Acho que nunca me vou reformar”. E confessa até que já se sente ansioso para atingir os 100 anos. Já só faltam cinco anos para lá chegar.

A verdade é que, já nonagenário, continua a trabalhar mesmo atrás do ecrã. Foi consultor de “WandaVision”, série estreada este ano do universo Marvel que fundou na Disney+ a nova fase dos super-heróis. Para a trama, a série inspirou-se em diferentes períodos da televisão norte-americana. O primeiro episódio teve inspiração direta no “Dick Van Dyke Show”. E nada como ter o próprio Dick Van Dyke a explicar como se faziam as coisas.

A sua rotina de abdominais.

Na entrevista à CBS, o ator exemplificou aquela que é a sua rotina habitual de abdominais. A partir do jardim de sua casa, em Malibu, o ator continua a escolher treinos funcionais que pedem força e flexibilidade. A intensidade, nesta idade, não é de todo o mais importante. Mas o próprio explica a importância dos abdominais: está ali o core que é importante trabalhar para que todo o treino possa ser eficaz.

O ator não tem especial cuidado com a alimentação, evitando apenas excessos. A exceção vai para o gelado de baunilha e pepitas de chocolate da Haagen-Dasz que continua a ser a sobremesa favorita Ainda assim, tem um grande truque: para onde quer que vá, costuma levar amoras, fruta bem conhecida pelas suas capacidades antioxidantes. O ator faz também questão de evitar comidas processadas e só come carne uma vez por semana. “Os bons hábitos importam”, justificava no seu livro. O seu mantra à mesa? Refeições “leves e frescas”. Não foi sempre assim.

O próprio admitiu recentemente ao “Mirror”: “Se soubesse que ia viver tanto tempo, tinha cuidado melhor de mim”. Acima de tudo, tem-se mantido ativo e aí ele tem a sua própria receita. “Nesta altura já não consigo jogar ténis. Mas continuo a correr, a cantar e a dançar.”

“Ganhei o hábito de perguntar a outras pessoas na sua velhice aquilo de que mais têm saudades de fazer quando eram novos”, contava em 2015. “Algumas pessoas dizem golfe, outras ténis. Uma mulher certa vez disse-me que tinha saudades de almoçar com as amigas. Mas as pessoas que me dizem que gostavam ter tomado melhores decisões nos negócios, acho que não estão a perceber o ponto disto tudo”.

E que ponto é esse? O próprio responde: “Desfrutar. É preciso pegar naquilo que se gosta de fazer, o que nos preenche. E eu percebo que já não seja possível para muita gente. Como [o autor Henry David] Thoreau dizia, muita gente leva uma vida de desespero silencioso. Mas acho que qualquer pessoa pode mergulhar num hobby ou passatempo que adora fazer”.

No seu caso, cantar e dançar continuou a ser parte essencial da sua vida. Em 2018, foi convidado para um cameo em “O Regresso de Mary Poppins”, onde contracenou com Emily Blunt e Lin-Manuel Miranda. Deram-lhe três coreografias possíveis. “Escolhi a mais difícil”. E lá apareceu de volta ao universo Mary Poppins, a subir a uma mesa para dançar, com o mesmo ar de jovem bem-disposto.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT