Saúde

O relato de uma morte por Covid-19 que se tornou viral — e que afinal era ficção

Bianca Sousa inspirou-se para escrever um texto fictício, mas que para muitos foi partilhado como uma história verdadeira.
Uma história que gerou discussão.

São tempos de incertezas os que a pandemia nos trouxe. A Covid-19 é tema que preocupa pelo impacto que tem na saúde mas também pela forma como afeta a economia e vida das pessoas. Talvez isto ajude a explicar como um texto bem intencionado colha elogios e ganhe atenção nas redes sociais, ao mesmo tempo que obrigue a autora a ter de se explicar.

O texto em causa foi publicado na última sexta-feira, 20 de novembro. Em menos de 24 horas, recebeu mais de 80 mil gostos e mais de mil comentários. Escrito na primeira pessoa, contava a história e Joana, que perdera o pai para a Covid-19.

A história foi escrita e publicada por Bianca Sousa na sua conta Instagram. A ideia era servir como um alerta, um que ajudasse “a abrir algumas mentes adormecidas”. Assinada como “A Joana que perdeu o pai para a Covid-19”, a publicação explicava no final que se tratava de um texto baseado em factos reais.

Houve quem interpretasse a publicação não como ficção, mas como um relato em particular. Entre os comentários gerou-se a discussão entre quem se queixava de que o texto induzia em erro e quem defendesse que aquela Joana, não sendo uma pessoa em concreto, representava outras histórias de perdas em tempos de Covid-19.

A própria autora acabou por reagir em vídeo este sábado, explicando que nunca tivera a intenção de causar um “mal-entendido”. Aos seguidores, Bianca explicou que escreveu o texto ao chegar a casa na sexta-feira e que se inspirara de forma solta numa perda recente, embora não para a Covid-19.

“A Covid-19 não trouxe só as mortes devido ao vírus, esgotou também os recursos médicos”, salientava sobre o que lhe servira de inspiração. “O que eu quis transmitir é que há imensa gente que perde familiares”. Aquela Joana, não sendo era própria, servia para representar um drama que tem afetado muitas famílias.

Foi em março que a primeira morte devido à Covid-19 se deu em Portugal e o País entrou no primeiro confinamento. Nesta altura, em todo o mundo regista-se um novo aumento claro dos números. Na segunda fase da pandemia têm sido batidos recordes de novos casos, mortes e internamentos que remontavam a abril.

Desde o início da pandemia que se registaram em Portugal 255.970 casos e 3.824 mortes. Além deste impacto, estes meses de pandemia têm sido também de desgaste social e crescente debate. As redes sociais acabam por ser reflexo disso mesmo. Com mais ou menos ficção, o que é certo é que a necessidade de cuidados se mantém.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT