Saúde

OMS diz que o vírus não estava a circular em Wuhan antes de dezembro de 2019

A equipa que está na China a investigar a origem da Covid-19 fez o primeiro balanço da viagem.
Estes dados refutam algumas teorias.

Mais de um ano depois do surgimento do novo coronavírus, foi enviada para a China uma equipa da Organização Mundial da Saúde (OMS) para investigar a origem do Sars-Cov-2, o vírus que causa a Covid-19. Depois de visitar vários locais da cidade de Wuhan, onde foi detetada a doença, a OMS faz um primeiro balanço.

Foi esta terça-feira, 9 de fevereiro, que Liang Wannian, especialista em covid-19 da Comissão Nacional de Saúde da China, disse, citado pelo “The Telegraph”, que após uma revisão dos dados de mortalidade e testes de anticorpos em bancos de sangue em Wuhan, entre outros dados, não há “nenhuma indicação da transmissão do Sars-Cov- 2 na população no período anterior a dezembro de 2019″.

O especialista refere, segundo o jornal britânico, que o vírus pode ter chegado à cidade através das instalações da rede de frio de um mercado de peixe e marisco da cidade, já que esse mesmo mercado, o de Huanan, foi um dos primeiros focos de transmissão.

Apesar de todas as evidências apontarem para o início do surto no mercado de Wuhan, o especialista diz que podem ter surgido casos a circular noutras regiões da China antes disso. Porém, para Wannian será certo que outras zonas de Wuhan tiveram casos identificados ao mesmo tempo.

Além disso, avança que as primeiras conclusões apontam para que o SARS-CoV-2 tenha tido origem em transmissão animal, embora não tenha sido identificado o animal hospedeiro.

A evidência inicial apontava para os morcegos e os pangolins como a origem da transmissão, mas Liang Wannian diz que as amostras de coronavírus identificadas nestas espécies não são “suficientemente idênticas” ao SARS-CoV-2. 

Porém, “a elevada suscetibilidade de visons e gatos ao vírus sugere que pode haver espécies adicionais como reservatórios”. A informação recolhida não é, contudo, suficiente para tirar conclusões mais sólidas.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT