Saúde

Poluição matou prematuramente 4900 portugueses

Na União Europeia, foram mais de 364 mil pessoas. Os dados constam de um relatório da Agência Europeia do Ambiente.
Ainda assim, os níveis de poluição têm descido.

Durante o ano de 2019, cerca de 4900 portugueses tiveram uma morte prematura devido à exposição a partículas finas. Na União Europeia (UE), foram mais de 364 mil pessoas. Os dados constam de um relatório da Agência Europeia do Ambiente (AEA) divulgado esta segunda-feira, 15 de novembro.

Os números relativos aos óbitos provocados por poluição atmosférica têm vindo a descer. Contudo, a “poluição atmosférica continuou a levar a uma carga significativa de mortes prematuras e doenças nos 27 Estados-membros da União Europeia”.

Segundo a AEA, muitas destas mortes prematuras poderiam ter sido evitadas se os países cumprissem as normas de qualidade do ar definidos pela UE, seguindo os valores de referência da Organização Mundial da Saúde. Estima-se que em Portugal pudessem ser poupadas 1900 vidas no ano em análise.

As causas de morte mais associadas à poluição atmosférica são as doenças cardíacas, os acidentes vasculares e as doenças pulmonares.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT