Saúde

Porque é que o café com azeite da Starbucks dá a volta à barriga de tanta gente?

Os relatos de quem provou têm vários pontos em comum, um deles é o desarranjo intestinal imediato que as bebidas provocam.
Ainda não há data prevista para chegarem a Portugal.

A Starbucks surpreendeu tudo e todos, no passado dia 21 de fevereiro, quando apresentou um produto, no mínimo, inusitado. As propostas da nova linha Oleato, que por enquanto apenas está disponível em Itália, resultam de uma mistura de café com azeite italiano. Os clientes que já o provaram denunciam o poder laxante destas bebidas.

Howard Schultz, que fundou a Starbucks em 1971, descreveu os Oleato como “a próxima revolução no café”. O empreendedor ter-se-á sentido inspirado a exportar os hábitos italianos do café para os Estados Unidos em 1983, quando esteve em Milão.

Para produzir as diferentes bebidas a empresa utiliza café arábico “numa infusão com uma colher de azeite extra virgem Partanna, prensado a frio”, produzida na região da Sicília. Neste momento, esta combinação deu origem a cinco bebidas diferentes que têm deixado os clientes indispostos.

“Metade da equipa experimentou-o ontem e alguns acabaram por precisar de usar a casa de banho, se é que me entendem”, disse um barista da empresa, na página da Starbucks Reddit. A esta crítica juntaram-se outras tantas nas redes sociais e o fator comum é sempre o mesmo: o poder laxante destas bebidas que misturam azeite com café.

O que causa este efeito?

O azeite o café são dois dos ingredientes mais utilizados no mundo. O primeiro é muito utilizado para cozinhar alguns pratos típicos da região mediterrânica, enquanto o segundo é das bebidas mais consumidas nos quatro cantos do planeta.

Ambos reúnem inúmeros benefícios para a saúde. Enquanto a gordura proveniente das azeitonas está relacionado com a redução do risco de doenças cardiovasculares e à diminuição da pressão arterial, o café além de ser estimulante para o cérebro, ajuda também a prevenir algumas patologias cardíacas. Porém, ao juntá-los podemos obter a combinação perfeita para tratar a obstipação e prisão de ventre.

“Os óleos vegetais tendem a ser utilizados para tratar a obstipação porque ajudam a amolecer as fezes, facilitando a ida à casa de banho”, explica à NiT a nutricionista Mariana Abecassis. “Se a isto juntar a cafeína, que já é um estimulante natural do intestino, isto pode causar um aumento da motilidade no cólon e, portanto, ter esse efeito laxante”, acrescenta.

Mas não é motivo de maior preocupação. “Estas bebidas não farão com que alguém fique super doente ao ponto de ter um impacto negativo na saúde”, disse a especialista em nutrição. “Aquilo que pode acontecer é ficar-se com potenciais desarranjos intestinais, cólicas, ou algumas dores de barriga.”

A nutricionista Ana Bravo comparou a mistura com o popular “café turbinado”, feito com óleo de coco. Uma invenção de Dave Asprey, investidor norte-americano que há muito lutava contra o excesso de peso. Bastante viajado, foi numa das suas aventuras no Tibete que Dave teve a ideia deste café invulgar ao beber um chá de manteiga utilizado para aquecer e dar energia. Os viajantes tomavam-no para enfrentar as condições extremas dos Himalaias.

Tal como acontece com essa bebida, a nova linha de Starbucks é muito calórica e rica em gordura, e, por isso, “não deve consumida sem regra, nem a toda a hora”, como lembra Mariana Abecassis.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT