Saúde

Portugal já ultrapassou a linha vermelha da matriz de risco da Covid-19

Os últimos dados da Direção-Geral da Saúde revelam um aumento da incidência nacional no País. Estes números podem obrigar a um recuo no desconfinamento.
Saiba o porquê.

Os últimos dados do boletim de acompanhamento da situação epidemiológica em Portugal, divulgado esta quarta-feira, 23 de junho,  revelaram um aumento na incidência do vírus a nível nacional, com 128,6 casos de infeção por 100 mil habitantes. Isto significa que o nosso País ultrapassou, oficialmente, as chamadas linhas vermelhas da matriz de risco definidas pelo governo aquando da apresentação do plano de desconfinamento. 

Recorde-se que, na passada segunda-feira, dia 21 de junho, a incidência em território nacional já tinha atingido o número limite, fixando-se nos 120 casos de infeção pelo novo coronavírus por 100 mil habitantes. No mesmo dia, o valor no resto do território nacional situava-se ligeiramente abaixo, nos 119,3.

Em declarações registadas pela TSF na segunda-feira, Marta Temido justificou o elevado número de casos registados em Portugal com o avanço no processo de desconfinamento. A ministra da saúde admitiu ainda que Lisboa “é uma situação que preocupa face à elevada densidade populacional que tem”.

Esta quarta-feira, o mais recente boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal registou mais três mortes e 1.497 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas. Números que juntamente com o aumento da incidência em território nacional podem vir a colocar um eventual travão no desconfinamento do País.

A ministra da Saúde já admitiu que a cerca sanitária imposta à Àrea Metropolitana de Lisboa será, muito provavelmente para manter, e não descartou a adoção de medidas adicionais no Conselho de Ministros desta quinta-feira, dia 24.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT