Saúde

Posso ir beber um copo para celebrar já estar vacinado contra a Covid?

Os especialistas dizem que o álcool não corta o efeito do imunizante. Contudo e, como sempre, a moderação é recomendada.
Está entre as dúvidas mais comuns.

O aparecimento da Covid-19, a pandemia que rapidamente provocou e a consequente vacinação que foi desenvolvida pelas maiores farmacêuticas trouxeram consigo uma série de perguntas que todos temos urgência em ver respondidas.

Muitas destas dúvidas circulam, precisamente, em torno das vacinas, pela necessidade de saber como e onde tomá-las. Uma das mais comuns, curiosamente, tem sido feita pelos que não resistem a um bom copo de vinho e nem sequer estão dispostos a abdicar de descontrair com o seu grupo — mesmo que à distância de um ecrã —, na companhia de uns quantos pares de cerveja. No fundo, querem saber se é possível consumir álcool depois de tomar a vacina.

No Brasil, esta questão foi, inclusive, o tema mais pesquisado no Google. O interesse nesta questão foi tanto que teve mais 36 por cento das pesquisas do que o segundo tópico mais popular sobre: “Qual a melhor vacina?”.

À revista “Visão”, Miguel Prudêncio, investigador principal do Instituto de Medicina Molecular (iMM), e o médico Luís Graça, também do iMM, explicaram que, objetivamente, não há problema em beber após a imunização, porque o álcool não lhe corta o efeito. “Do ponto de vista da forma como as vacinas vão espoletar a resposta imunitária, não há nada que indique que assim seja”, disse Miguel Prudêncio.

Luís Graça, contudo, não deixou de salientar que muitas pessoas apresentam reações como desconforto, febre e dor após a vacina. Assim, “além de não ser uma grande ideia juntar a um quadro deste género o consumo de álcool, estes sintomas podem requerer a toma de analgésicos ou antipiréticos, cujo o efeito é anulado pelo álcool”.

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBim), citada pelo “Olhar Digital”, também esclareceu que nenhuma vacina, incluindo as usadas contra a Covid-19, tem o seu efeito alterado pelo álcool. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez ainda questão de referir que não existem estudos que mostrem algum impacto do consumo de bebidas alcoólicas na vacinação.

Apesar de ser possível beber, é importante recordar que o consumo crónico de álcool enfraquece o sistema imunológico, o que torna o indivíduo mais vulnerável a infeções e contaminação com vírus. Por isso, como sempre, a moderação é recomendada.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT