Saúde

Se é vegetariana e está grávida saiba que alimentos que deve incluir já na alimentação

Este regime alimentar levanta sempre muitas dúvidas durante a gestação. A NiT falou com especialistas que esclarecem tudo.
Um tema polémico.

A gravidez é uma fase muito feliz, mas nenhuma mãe esconde o quão difícil é ultrapassar as várias transformações do corpo. Seja pelo aparecimento de acne, azia ou até enjoos, a gravidez pode trazer efeitos secundários que não são assim tão desejados. Para as vegetarianas, pode ser uma fase ainda mais complicada, sobretudo porque podem surgir dúvidas sobre o que devem comer para manter o bebé saudáve, sem abandonarem o regime alimentar.

Primeiro, é importante ter noção de que é normal as necessidades nutricionais aumentarem durante a gravidez. Afinal, é preciso suportar o crescimento e desenvolvimento do bebé, bem como o metabolismo materno. Da mesma forma, “é importante adotar um estilo de vida saudável tanto a nível alimentar como de exercício físico, que deve iniciar-se mesmo antes da gravidez e isso não deve implicar alterar a sua dieta”, explica à NiT a obstetra Sofia Figueiredo.

Segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS), as grávidas e bebés que seguem uma alimentação vegetariana devem tomar suplementos de vitaminas e minerais. Uma das maiores preocupações da entidade de saúde é o défice em vitamina B12, “associado a compromisso irreversível do desenvolvimento cerebral, do crescimento e ainda à anemia megaloblástica”. A carência de vitamina D e cálcio, “que compromete o crescimento e a saúde óssea e o desenvolvimento muscular”, assim como de ferro, associada ao desenvolvimento neuro-cognitivo e motor, são outras das limitações para que alertam.

Ainda assim, segundo a nutricionista Marta Gorgulho “é consensual que dietas vegetarianas ou veganas podem ser adotadas durante a a gravidez, pois quando são bem planeadas podem fornecer uma nutrição adequada a esta fase de vida”

Apesar de ser necessário ter atenção a alguns nutrientes que podem ser obtidos mais facilmente numa alimentação omnívora (como a vitamina B12, ómegas, ferro, iodo e o zinco) a alimentação pode fornecer todos os nutrientes necessários, desde que seja adequada e sob orientação de um profissional da área e, possivelmente, com recurso a suplementação.

Frutos secos e leguminosas são bons substitutos 

A nutricionista sublinha que “a suplementação deve acontecer sempre com recomendação do profissional de saúde que acompanha a grávida e não por iniciativa própria”. E a médica Sofia Figueiredo reforça que “os suplementos alimentares não substituem por completo o ingestão dos alimentos”.

Este período crítico é caracterizado por necessidades nutricionais elevadas que exigem especial atenção tanto para uma mulher vegetariana como omnívora. Dietas vegans podem requerer maior compromisso, planeamento e orientação profissional (em especial em suplementação de vitamina B12), mas todas as mulheres, independentemente do seu regime alimentar, devem procurar ter uma alimentação completa e equilibrada nesta fase.

A especialista em obstetrícia lembra ainda que algumas alterações alimentares podem não ser tão benéficas e dá o exemplos das bebidas vegetais. “Estas alternativas ao leite animal têm 100 vezes menos cálcio que a original”. Por isso devem de ser consumidas em maior quantidade para garantir o cálcio necessário que o bebé precisa para desenvolver os ossos e os dentes. 

“Outra alternativa para quem exclui ovos, leite e derivados, são as leguminosas (fonte de proteína e ferro vegetal). As sementes e frutos oleaginosos (fontes de gordura polinsaturada) são outros dois tipos de alimentos que devem fazer parte de uma alimentação vegetariana e uns bons substitutos.”

Em suma, ambas as profissionais explicaram à NiT que as grávidas que seguem uma dieta vegetariana “não precisam de quebrar o seu regime alimentar, nem consumir carne e peixe, mas é fundamental o acompanhamento do nutricionista para que consigam ingerir os nutrientes necessários”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT