Saúde

Suécia admite que poderia ter feito melhor na luta contra a pandemia

Anders Tegnell, criador do plano de combate à doença, admitiu erros mas defende a abordagem do país.
Suécia registou mais de 40 mil casos e mais de 4 mil mortes

Anders Tegnell é o epidemiologista que delineou o plano de abordagem da Suécia na luta contra a pandemia. A estratégia, que passou por não decretar um confinamento e manter aberta a economia, levou a que o país seja o oitavo na lista de mortes per capita provocadas pela Covid-19. Perante o cenário, o médico sueco admite, numa entrevista, que “há obviamente potencial de melhorias no que foi feito até agora”.

Apesar de um primeiro e inédito recuo na análise à estratégia de combate à doença — que foi alvo de críticas pela comunidade científica sueca, precisamente por divergir tanto das medidas tomadas um pouco por todo o mundo —, Tegnell explicou mais tarde que acredita estar correto. “Continuamos a acreditar que a estratégia é boa, mas há sempre lugar para melhorias. Seria estranho se eu desse uma resposta diferente a essa questão.”

Se pudesse voltar atrás, Tegnell apostaria na realização de mais testes, mas não faria mudanças radicais. “Caso voltássemos a encontrar a mesma doença, sabendo exatamente o que sabemos hoje, acredito que acabaríamos por fazer algo entre o que a Suécia fez e o o que o resto do mundo fez”, explica.

“Sim, absolutamente”, responde quando questionado se muitos suecos morreram demasiado cedo. Em abril, contudo, o epidemiologista justificava a alta mortalidade com a incapacidade dos lares de impedirem a entrada da doença nas suas instalações — e que essa alta taxa, que chegou a ser a mais alta da Europa em vários períodos de maio, “não desqualificava a estratégia global [do país]”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm
Novos talentos

AGENDA NiT