Saúde

Vacina da AstraZeneca só vai ser administrada a maiores de 60 anos em Portugal

O ajuste no plano de vacinação implica que a vacinação dos professores seja adiada por uma semana.

Esta quinta-feira, 8 de abril, as autoridades nacionais de saúde revelaram que Portugal vai passar a administrar a vacina da AstraZeneca apenas a maiores de 60 anos. O anúncio foi feito em conferência de imprensa por Graça Freitas, que aproveitou para recordar que o objetivo da campanha de vacinação contra a Covid-19 é “salvar vidas e prevenir a doença grave”.

A diretora-geral da Saúde acrescentou ainda: “Este objetivo é alcançado com qualquer uma das vacinas aprovadas e utilizadas. A Direção-Geral da Saúde recomenda, até estar disponível informação adicional, a administração da vacina da AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos”. 

No entanto, Graça Freitas apelou a que as pessoas que receberam a primeira dose desta vacina se “mantenham tranquilas”, uma vez que as reações adversas que estão no centro do debate “são extremamente raras”. E continuou: “Nos sete a 14 dias após a administração da vacina, devem estar atentos a sintomas, nomeadamente a dores de cabeça persistentes, hematomas e manchas vermelhas na pele”. Leia o artigo da NiT para conhecer os sinais a que deve estar atento.

Esta decisão foi tomada após uma reunião realizada durante a tarde entre a Direção-Geral da Saúde, o Infarmed e a task-force para a vacinação contra a Covid-19 no nosso País. Seguiu-se uma conferência de imprensa com a atualização da informação sobre a vacina da AstraZeneca.

Na mesma conferência de imprensa, foi adiantado ainda que a vacinação de professores será adiada por uma semana. Além da diretora-geral da Saúde, estiveram também presentes o presidente do Infarmed, Rui Ivo, e o cordenador da task-force, Henrique Gouveia e Melo.

Este último acrescentou que “o plano de vacinação não vai sofrer grandes alterações”. Sobre este tema, Graça Freitas disse que o mesmo “é ajustado para garantir que todas as pessoas serão vacinadas com a vacina que protege e é segura de acordo com os grupos prioritários definidos, minimizando eventuais riscos associados”.

O presidente do Infarmed, Rui Ivo, reforçou ainda que foram identificados em Portugal dois fenómenos tromboembólicos com a AstraZeneca. Nenhum deles resultou em morte. Henrique Gouveia e Melo informou também que, neste momento, já foram administradas em Portugal 400 mil vacinas da AstraZeneca e o País está à espera de mais 1,4 milhões de doses.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT