Saúde

Vídeo de médico português a alertar para os perigos da pandemia torna-se viral

Gustavo Carona garante que a segunda vaga pode ser muito pior do que a primeira.
Já percorreu o mundo em ações humanitárias.

Tornou-se um dos vídeos mais vistos dos últimos dias e tem sido partilhado nas redes sociais tanto por anónimos como por figuras públicas. Entre o “não” a Cristina Ferreira e os alertas para a necessidade de tomar todos os cuidados de saúde possíveis, Gustavo Carona é o médico do momento em Portugal.

Tem 39 anos, trabalha no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, e há mais de dez anos que soma missões humanitárias com os Médicos Sem Fronteiras. Já esteve em zonas de conflito e de catástrofe em países como Moçambique, República Democrática do Congo, Iraque, Afeganistão, Síria, Faixa de Gaza ou Sudão do Sul. Além disso, é autor de dois livros: “1001 Cartas para Mosul” e “O Mundo Precisa de Saber”. Ainda assim, não é por essas razões que tem sido falado nos últimos dias.

Na passada quarta-feira, 28 de outubro, Gustavo Carona partilhou nas suas redes sociais um vídeo onde explica que foi convidado para ir ao “Dia de Cristina”, o programa de Cristina Ferreira transmitido na TVI. Após perceber que a produção queria que fosse acompanhado da mãe para contar a sua história, o médico intensivista recusou, explicando que, apesar de ter “todo o gosto em contribuir para a informação dos portugueses”, não queria romantizar a situação atual de pandemia que vivemos nem tirar o foco daquilo que realmente é importante.

“Nada contra a pessoa, o programa, a produção. A minha indignação vem do facto de que isto é de alguma forma representativo da total desorientação que estamos a ver neste momento e a incompreensão da dimensão do desafio que nós estamos a passar. Isto não é tempo para contar historinhas, é tempo para informar”, sublinha.

O vídeo tem perto de oito minutos de duração e já conta com mais de 185 mil visualizações. Além de explicar o convite para o programa e o motivo que o levou a dizer que não, o médico aborda ainda a necessidade de que todos tomem consciência dos perigos reais que a pandemia representa neste momento, alertando para o facto de a segunda vaga poder tomar proporções muito maiores do que a primeira.

“Reitero com a minha força toda, que negar a existência ou a gravidade da pandemia, que negar a eficácia da utilização das máscaras, do distanciamento e da lavagem das mãos, que não compreender que perder o controlo da pandemia é perder o controlo de toda a saúde em Portugal e que eventualmente nos vai levar a um novo longo confinamento, e como tal vão ser co-responsáveis (juntamente com o vírus) pelo colapso do país, e como tal são criminosos que deveriam responder perante a lei, pelas mortes alimentadas pela sua ignorância”, escreveu Gustavo Carona numa crónica no “Público”, a 26 de outubro.

Em jeito de conclusão, o médico humanitário deixa um aviso sério a todos os que acham que a pandemia é uma questão de políticas: “Ignorância sobre a doença é a única coisa que vai matar mais que a própria doença”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT