Turismos Rurais e Hotéis

Tome o pequeno-almoço a olhar para um moinho

Vai ser assim no novo turismo rural a um quilómetro da vila de Oleiros, em Castelo Branco, que abre a 6 de março.

Quando os hóspedes chegam à sala de pequenos-almoços do Refúgios do Pinhal, encontram um moinho movido a água. Rodeado por paredes de pedra e com uma vitrine de vidro a protegê-lo, é este moinho que mói os cereais usados para preparar a broa de milho, servida todas as manhãs.O moinho já existia no local, mas a roda há muito que tinha deixado de funcionar.

“Enviámo-la para um ferreiro para a consertar e depois voltámos a instalá-la”, conta à NiT Carlos Lourenço, 27, um dos proprietários deste espaço.

O Refúgios do Pinhal é a segunda casa da família Lourenço. Ou pelo menos é o que parece, de tão familiar que o projeto é. Carlos Lourenço juntou-se à tia Aida para abrir este novo turismo rural, situado na vila de Oleiros, em Castelo Branco. Mas o resto da família não ficou de fora: os elementos femininos ajudaram na decoração — “ficou a cargo das minhas primas, da minha tia e da minha mãe” —, o primo Hugo é quem vai receber os primeiros hóspedes a 6 de março.

“Eu trabalho numa firma de construção civil. Os meus patrões são o meu padrinho e o meu pai. Um dia passámos pela casa e achámos que tinha potencial. O dono acabou por falecer e, a 23 de abril de 2012, comprámos o espaço”. Para além da casa principal, a quinta tinha moinhos e palheiros. “Reconstruímos tudo”.

A decoração do espaço ficou a cargo dos elementos femininos da família

O Refúgios do Pinhal tem dez quartos repartidos por três edifícios: a casa principal (que tem sete quartos); um edifício ao lado (que tem mais dois, para além do bar com vista para a piscina exterior); e outro onde fica a casa das máquinas (e que tem mais um quarto). Num quarto edifício fica a sala de pequenos-almoços, com capacidade para entre 20 a 25 pessoas.

Todos os quartos são inspirados nas flores. Há o Alecrim, com vista para a ribeira de Oleiros; o Girassol, com acesso direto para a piscina; ou o Rosmaninho, virado para o jardim.

“Os quartos em si não variam muito, têm todos praticamente o mesmo tamanho e estrutura. Mas há pequenos pormenores que mudam”. É o caso das colchas da cama e, claro, a placa de madeira com o nome do quarto à entrada.

Consoante a época, os quartos custam entre 99€ e 120€ por noite. Neste momento o hotel está com uma promoção de 10% para reservas em março, por isso o preço está nos 84,06€.

Carregue na imagem acima para ver mais imagens do espaço.

FICHA TÉCNICA

  • Tojeira de Baixo, Oleiros
    Norte
site
http://refugiosdopinhal.pt/
facebook
www.facebook.com/refugiosdopinhal/timeline

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT