Miúdos

LEGO lança nova iniciativa para combater os estereótipos de género

O grupo está a desafiar os pais a terem brincadeiras mais inclusivas com os filhos.
É altura de deitar abaixo estereótipos de género.

Quando somos miúdos só nos queremos divertir, seja a jogar à bola ou a dançar. Contudo, desde novos que nos são impingidas brincadeiras específicas ao nosso género. Um rapaz não brinca às princesas e uma rapariga não joga à bola. Um novo estudo da LEGO e do Geena Davis Institute mostra que as raparigas, especialmente, estão prontas para enfrentar estes padrões de género enraizados na sociedades mas, muitas vezes, os pais não as incentivam a tal.

A pesquisa, que entrevistou cerca de 7 mil pais e crianças entre os seis e os 14, em diversos países do mundo, reforça a necessidade da sociedade de mudar a sua perceção, ações e palavras para apoiar o crescimento criativo das crianças.

As meninas sentem-se mais restringidas e menos apoiadas pelos típicos preconceitos de género do que os meninos, no que toca a brincadeiras criativas (74 por cento dos meninos vs 62 por cento das meninas acreditam que algumas atividades são só para meninos e outras só para meninas) e estão mais interessadas em brincadeiras criativas do que os pais e a sociedade habitualmente encorajam. 

Para a maioria das profissões criativas, os pais entrevistados imaginaram um homem, independentemente de terem um filho, uma filha ou ambos. A probabilidade de pensarem num homem para profissões como cientista ou atleta é quase seis vezes maior do que pensarem numa mulher (85 por cento vs 15 por cento) e quase oito vezes superior no que toca à área da engenharia (89 por cento vs 11 por cento).

Para combater estas ideias, o Grupo LEGO está a desafiar os pais a promoverem brincadeiras mais inclusivas. Para ajudar, desenvolveu um guia com 10 passos, para desafiar os pais a partilhar fotos das criações LEGO das suas crianças, com um fundo de Realidade Aumentada com as palavras “Get the World Ready for Me” (“Preparem o Mundo para mim”).

Junte os miúdos.

Os dez passos

O primeiro passo: incentivar os miúdos a terem brincadeiras que normalmente não têm, abrangendo uma grande área de atividades, como performances, atividades artísticas ou até físicas.

O segundo passo: introduzir novas brincadeiras ativamente. Com uma maior variedade de brincadeiras, os miúdos vão perdendo o “medo” de iniciarem brincadeiras que possam não ser, segundo a sociedade, adequadas ao seu género.

O terceiro passo: Trocar os papéis. Mostre ao seu filho que papéis de género não são algo fixo. Ponha-os a interpretar personagens do género oposto durante pequenos teatros em casa, mostrando-lhes que podem ser aquilo que quiserem.

O quarto passo: Apresente novos role models. Se tiver uma filha interessada em aviões, ensine-lhes a história de ícones do campo como Amelia Earhart. Segundo a LEGO, se o seu filho vir pessoas de diferentes géneros e etnicidades a serem bem sucedidas numa área, irá aprender que a identidade não tem um destino marcado.

O quinto passo: Aplauda a criatividade e não julgue. Se o seu filho mostrar interesse em atividades que sejam fora das normas de género, não os empurre para algo mais tradicional. Em vez disso, aplauda a sua criatividade fora da caixa e ingenuidade.

O sexto passo: Encoraja amizades com miúdos de diferentes géneros. Se incentivar o seu filho a ter tanto amigos como amigas, é mais provável que vá iniciar brincadeiras previamente “reservadas” a cada um dos géneros.

O sétimo passo: Questione os estereótipos. Embora os miúdos assumam papéis de género específicos desde cedo, procuram também fazer coisas fora da norma. A LEGO incentiva os pais a falarem com os filhos sobre os estereótipos de género já presentes na sociedade e a desafiá-los.

O oitavo passo: Seja crítico quanto aos livros, desenhos animados e filmes que mostra aos seus filhos. O que os miúdos aprendem nestes meios irá moldar quem serão no futuro, por isso, recomenda-se que submeta uma grande variedade de projetos aos seus filhos.

O nono passo: Dê um bom exemplo em casa. Os pais são os primeiros super-heróis dos filhos. Se, enquanto está em casa com os miúdos, fizer várias coisas associadas ao género oposto, os seus filhos notarão rapidamente que não há problema nisso, e tentarão até fazer o mesmo.

O décimo passo: Saia da sua própria zona de conforto. Os papéis de género estão ainda mais enraizados nos adultos, e é uma luta maior para nos afastarmos desses. Mas sair da zona de conforto e tentar coisas novas será uma boa maneira de se ligar ainda mais aos seus filhos.

A aplicação com o fundo de realidade aumentada está disponível para iPhone e Android. Pode encontrá-la no site da LEGO.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

Novos talentos

AGENDA NiT