Na cidade

A Nave da Mestra é um dos locais mais bonitos e secretos da Serra da Estrela

Para lá chegar, terá de percorrer um trilho bastante exigente e atravessar uma fenda. O motivo da sua construção é um mistério.
É uma construção enigmática.

Em pleno planalto da Serra da Estrela, a 1.700 metros de altitude, esconde-se um dos locais mais bonitos  da região. Poucos o conhecem ou ouviram falar dele. Chama-se Nave da Mestra, também conhecida como Nave da Barca, e é um gigantesco penedo emoldurado por um magnífico cenário natural.

É entre a Barragem do Rossim e o Vale do Zêzere que se encontra um covão glaciar com um imponente rochedo de granito com uma beleza especial e singular. Um dos pormenores deste local isolado que mais chamam à atenção são as enigmáticas ruínas no sopé do penedo, que dão a entender que existiu alguém que viveu, em tempos, mesmo debaixo do rochedo — e com uma pedra a servir de teto à casa

Segundo a lenda, em 1910, a família Matos Preto decidiu construir ali uma casa de férias para passar o verão. Na época, como não existiam grandes transportes, tanto a matéria-prima como os próprios trabalhadores terão sido levados em mulas desde Manteigas. 

Uma das teorias sobre o propósito da construção desta casa é a de que, afinal, não tinha qualquer intenção de ser um refúgio de férias, mas sim um abrigo para reuniões clandestinas anti-regime, incentivada pelo juiz José Pereira de Matos. 

O grande mistério desta história é a forma como foi colocada a enorme laje de granito que serve de teto à casa. Como é que um grupo de meros mortais conseguiriam levantar pedras gigantescas? Na verdade, não foram eles que fizeram esse esforço — seria praticamente impossível. Recorreram à ajuda de macacos hidráulicos, uma ferramenta que ajuda a levantar pesos pesados com um esforço mínimo. Uma das pedras que levantaram foi precisamente aquela que serve de telhado à casa. 

Era uma obra louca e tinha tudo para dar errado — foi precisamente isso que aconteceu. A casa foi abandonada e, hoje em dia, já só restam as ruínas que dão asas à imaginação de todos aqueles que passam por lá. 

Existem várias histórias e teorias sobre esta construção enigmática, mas ainda não se sabe o verdadeiro motivo da sua existência. O único facto inegável é que a Nave da Mestra tornou-se um dos locais mais bonitos da Serra da Estrela e, embora pouco conhecida, já vai atraindo alguns visitantes — mas não é fácil chegar até lá.

Só é acessível a pé e existem vários trilhos e caminhos que nos levam até este lugar misterioso. Os percursos mais conhecidos são a Rota do Carvão ou a Rota do Maciço Central, mas prepare-se: são trilhos de dificuldade elevada e exigem uma boa forma física.

O primeiro é um percurso circular com mais de 20 quilómetros de extensão, enquanto que o segundo tem 10 quilómetros. Se optar por fazer a Rota do Carvão, esta tem início na vila de Manteigas, onde começa uma das partes mais desafiantes do percurso: subir em ziguezague até ao Observatório das Penhas Douradas.

O trilho passa pelos pinheiros do Oregon, Casa da Fraga, Fragão do Corvo, Seixo Branco e o Vale das Éguas até chegar finalmente ao grande destaque: a Nave da Mestra. Para chegar lá, é preciso atravessar a Talisca, uma fenda estreita num penhasco gigantesco.

De seguida, carregue na galeria para ver algumas das fotografias partilhadas no Instagram da misteriosa Nave da Mestra.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT