na cidade

Aqui está a primeira fotografia de sempre de um buraco negro

"É um monstro absoluto, o campeão dos pesos-pesados ​​de buracos negros no Universo", explicou um astrónomo.
Foto revelada esta quarta-feira.

Parece um anel de fogo, até porque isso não foge a cem por cento da realidade. E corresponde à imagem que cientistas e astrónomos idealizaram e especularam durante séculos sobre qual seria o aspeto de um buraco negro. Esta quarta-feira, 10 de abril, acabou de se tornar um dia histórico: foi revelada a primeira fotografia de sempre de um buraco negro.

A imagem foi apresentada ao mundo inteiro às 14h07, hora de Portugal continental. O buraco fica na galáxia Messier 87, a 500 milhões de trilhões de quilómetros da Terra, sendo visível na constelação de Virgem. Este buraco negro tem 40 mil milhões de quilómetros de diâmetro, o que é três milhões de vezes o tamanho da Terra, e a massa de seis mil milhões de sóis. É descrito pelos cientistas como “um monstro”.

Citado pela “BBC News“, o professor Heino Falcke, da Universidade Radboud, na Holanda, que propôs a experiência de tentar capturar esta imagem, explicou que o que vemos agora é maior do que o tamanho de todo o nosso Sistema Solar.

“Tem uma massa de 6,5 mil milhões de vezes a massa do Sol. E é um dos buracos negros mais pesados ​​que pensamos que existe. É um monstro absoluto, o campeão dos pesos-pesados ​​de buracos negros no Universo”, explicou.

O buraco foi fotografado por uma rede de oito telescópios em todo o mundo.

Segundo adianta a “BBC”, a imagem mostra um “anel de fogo” intensamente brilhante, como a descreve o Prof Falcke, cercando um buraco escuro perfeitamente circular. 

Aquilo que parece fogo é, na realidade, um anel de gás superaquecido, a cair no buraco negro, ou seja a ser puxado e engolido por ele. O halo brilhante é causado pelo gás superaquecido que tem uma luz mais brilhante do que todos os mil milhões de outras estrelas da galáxia combinadas — e é por isso que pode ser visto a uma certa distância da Terra.

A borda do círculo escuro no centro é o ponto no qual o gás entra no buraco negro, que é um objeto que tem uma atração gravitacional tão grande, que nem a luz consegue escapar.

A revista britânica lembra que imagem coincide com o que os físicos teóricos durante séculos — e na verdade, até os realizadores de Hollywood — imaginavam que os buracos negros pareceriam.

“É notável que a imagem que observamos seja tão semelhante àquela que obtemos de nossos cálculos teóricos. Parece que Einstein estava correto, mais uma vez”, concluiu o Dr. Ziri Younsi, da University College de Londres.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT