Na cidade

Associação precisa de voluntários para dar colinho a bebés

Centro de apoio criou um apelo no Facebook onde pede pessoas com disponibilidade para dar mimo. A resposta foi avassaladora.
Uma verdadeira dádiva.

Pegar num bebé, dar-lhe colo e mimo, acalmá-lo e fazê-lo sentir o calor e contacto humano, conversar com ele e garantir que ele ouve a nossa voz: tudo isto são das coisas mais simples e mais importantes que acontecem nos primeiros meses e até anos de vida de uma criança, tal como têm defendido sucessivamente vários especialistas em todo o mundo.

Nos Estados Unidos, por exemplo, existe mesmo a figura de acarinhadores ou abraçadores de bebés em alguns hospitais e centros de acolhimento: pessoas, normalmente voluntárias, que são treinadas ou recrutadas para falarem com os bebés, segurá-los, falar, cantar, pegar — quando as famílias não o podem fazer, ou não existe família que o faça.

Agora, em Torres Vedras, um pedido de uma associação está-se a tornar absolutamente viral, por ser tão simples e no entanto essencial: o Centro de Acolhimento Temporário Para Crianças em Risco (CAT) Renascer, desta região do distrito de Lisboa, está a precisar de “Voluntários para Colinho”.

O pedido é feito numa partilha de Facebook que teve, em poucos dias, mais de oito mil partilhas e milhares de comentários por parte de pessoas interessadas em ajudar, ou apenas a tirar dúvidas.

⚠️ Precisamos de voluntários de colinho ‼️ Temos na nossa casa três bebés, com menos de seis meses, a precisar de muito…

Publicado por Renascer CAT – Centro Comunitário de Torres Vedras em Quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Conforme explica na sua publicação, este CAT tem atualmente em sua casa três bebés, com menos de seis meses, “a precisar de muito colinho, estimulação e tempo só para eles”.

Para ser voluntário de colinho só precisa de ter mais de 18 anos; ter disponibilidade duas a três horas por semana, durante o fim de semana ou de segunda a sexta-feira no período da tarde; e finalmente, “ter muitos miminhos para dar”.

Sendo este um trabalho totalmente voluntário, o centro oferece apenas um seguro além, claro, da oportunidade incrível de ajudar bebés da maneira mais recompensadora possível.

O Centro de Acolhimento Temporário Para Crianças em Risco Renascer, em Vale Rosas, diz ser uma resposta social do Centro Comunitário de Torres Vedras, destinado a acolher crianças dos 0 aos 12 anos em situação de perigo.

“São muitas vezes crianças privadas do meio familiar, vítimas de violência, negligência ou maus tratos, provenientes de famílias cuja situação exija apoio transitório que permita a estabilização de vida familiar”, explica-se na sua página.

O CAT Renascer pressupõe o acolhimento temporário até 6 meses podendo, no entanto, prologar-se de acordo com as características de cada criança e a definição do seu projeto de vida, é ainda explicado. No total, o Renascer tem a capacidade para 12 crianças.

Nos milhares de comentários, pessoas de literalmente todo o País elogiam a iniciativa e lamentam apenas não o poderem (ou não saberem como) fazer noutros locais: Coimbra, Guimarães, Porto, Lisboa, Algarve, são apenas algumas das zonas referidas.

Nas respostas à publicação, há também quem se voluntarie para ir propositadamente de Lisboa dar colinho aos bebés, outros pedem instruções para dar roupa ou bens e até para fazer doações através do IRS.

A quem levanta receios sobre a escolha dos voluntários, o CAT esclarece que todo o processo de selecção será feito com todo o cuidado e dentro da legalidade que a situação o exige, sendo a dado ponto necessária, por exemplo, a apresentação de documentos como o registo criminal.

Os interessados podem contactar o centro através da sua página do Facebook ou dos contactos lá expostos.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT