Na cidade

Está a chegar o baloiço mais radical do País (e fica numa paisagem lindíssima)

Em Amares, distrito de Braga, no meio da natureza e com vistas arrebatadoras, vai nascer este ano uma estrutura diferente.
Vai ser assim.

A pandemia cancelou, desde a primavera de 2020, centenas ou milhares de eventos, concertos, festas, tradições — e isto só olhando para Portugal. No Urjal, uma típica e pitoresca aldeia em Seramil, concelho de Amares, um local de sonho plantado nas encostas da serra de Santa Isabel e monte da Abadia, havia uma tradição natalícia com cada vez mais adeptos, um evento que era uma festa: a Urjalândia.

Apesar de recente, desde 2017 que esta reunião de Natal na aldeia do Urjal atraia visitantes e criava uma enorme animação turística — só que em 2020, não aconteceu. Cancelado o evento, nem por isso a organização por detrás dele vacilou. E decidiu combater o inevitável revés com uma contra-proposta: um incrível baloiço panorâmico, a abrir no início deste ano.

Segundo explica a Urjalândia na sua página de Facebook, após o cancelamento da 4º edição da Urjalândia – Aldeia de Natal Sustentável, procurou encontrar-se uma solução para que a magia nunca acabe. Assim, e “porque os baloiços nos remetem para a infância de todos”, vai ser inaugurado, no primeiro semestre de 2021, um baloiço panorâmico na aldeia do Urjal.

A estrutura vai, adianta a mesma entidade, ficar num dos pontos mais altos do concelho de Amares, próximo do carvalhal do Urjal em Seramil, com uma vista privilegiada sobre o vale do Cávado e vale do Homem. A iniciativa é da União de freguesias de Vilela, Seramil e Paredes Secas e promete “seduzir os amantes da natureza”.

Cuidado com as vertigens.

Segundo o Presidente da União de freguesias, Rui Tomada, citado na partilha do Facebook e no jornal “O Amarense“, é importante criar novos pontos de interesse para atrair visitantes ao longo de todo o ano, o que justifica o investimento. “A Urjalândia foi uma aposta ganha e tem tido, a cada ano, uma dinâmica maior. Este ano não foi possível realizar o evento mas vamos criar um novo ponto de atração, num local que é paradisíaco e merece uma visita. É uma forma de dar continuidade ao projeto”, explicou. E criar, assim, um foco de visitas durante todo o ano.

O baloiço deverá ser em círculo, suspenso por uma estrutura fixa, como mostram as primeiras imagens do projeto.

Recorde-se que, em 2020, Portugal assistiu a um boom de baloiços sem precedentes: eles são uma das novas grandes modas, recurso quase infalível das autarquias e juntas para dar aquele motivo extra às pessoas de conhecerem e visitarem uma região. Além de lindos e com vistas perfeitas, enchem as redes sociais de fotos que funcionam como uma espécie de bilhetes postais da região — e o turismo agradece.

Recentemente, abriu um destes locais maravilhosos na Serra da Boneca, com vista para o Rio Douro — tal como a NiT lhe contou. Para quem não conhece, há outros dois baloiços panorâmicos com uma história semelhante e até mais antigos — e que também foram criados por jovens para valorizar as suas terras. Neste caso, são espaços irmãos entre si, ou seja filhos do mesmo projeto e próximos um do outro.

Falamos do Baloiço do Trevim e do Baloiço do Burgo. Os mesmos que inspiraram uma jovem a criar o Baloiço do Talegre, na freguesia e Serra de Alburitel, no concelho de Ourém; e em junho o de Penedros da Cabeça.

Mas continuou: em julho, abriu o Baloiço do Mezio, na Serra do Soajo; no mesmo mês, nasceu o Baloiço de São Silvestre, em Mesão Frio; e ainda o Baloiço CerLove em Vila Nova de Cerveira — que até motivou filas épicas, semanas depois. Já em agosto, abriu o Baloiço do Sobreiro, junto ao Miradouro do Talegre, em Moncorvo; no mesmo mês foi conhecido o Baloiço d’As Antas P’ro Mondego; também o Baloiço da Carriça, em Arganil; e o da Ponte do Canal na freguesia de Abragão, Penafiel.

E ainda o Baloiço da Pateira do Carregal, idealizado e criado pela associação de amigos do parque com o mesmo nome, em Requeixo, Aveiro. Já em setembro, abriu em São João da Fontoura, Resende, o Baloiço da Senhora da Guia; e na Batalha, o Baloiço da Barrozinha. Em Santa Cristina, Mealhada, nasceu já em outubro um baloiço que celebra o renascimento de uma aldeia que esteve cercada pelas chamas: o Baloiço de Santa Cristina.

E no mesmo mês, um baloiço no miradouro que Miguel Torga disse ser “o mais vasto de Portugal”: o da Serra de Alvaiázere. Em novembro, foi a vez do Sítio da Nazaré acolher o incrível Baloiço da Ladeira, com vista para a vila, a praia e o mar e em dezembro o Baloiço do Meco, no Grande Porto.

Além disso, a moda já não se fica só pela natureza. Depois de chegar a um restaurante na Ericeira, há agora até um baloiço numa clínica no Porto.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT